terça-feira, 22 de abril de 2008

Culpa equilibrada

Provérbios 21.1-8


A vereda do justo evita o mal; quem guarda o seu caminho preserva a sua vida (Pv 16.17).

Andar por caminhos errados causa um sentimento chamado culpa. Sentir culpa é importante e ajuda na decisão de buscar correção. Mas, se não for sentida de forma sensata e equilibrada, pode causar grandes problemas emocionais.
Existe o sentimento de culpa em excesso. Muitas pessoas vivem se desculpando sem mesmo saber por quê. A frase “desculpe alguma coisa” é característica do que estamos falando. Não é bom culpar-se por tudo. Um atraso, um esquecimento, um pensamento maldoso entre outras coisas comuns que acontecem; é comum sentir culpa nestas situações, mas esse sentimento não deve crescer a ponto de dominar a mente atingindo dimensões maiores do que deveriam. A intensidade do sentimento de culpa deve ser proporcional ao ato praticado.
Diante das falhas, mais do que ficar lamentando, é preciso admitir o erro e buscar corrigir o que for possível. Lembrar do amor de Deus, de sua misericórdia e perdão. Se Deus nos perdoa, por que nós não vamos nos perdoar? Para nosso bem estar precisamos aprender perdoar a nós mesmos.
Existe também um outro lado da questão. A falta de sentimento de culpa. Pessoas que ignoram a culpa e diminuem esse sentimento, mesmo quando cometem grandes erros. Dizem: “não foi minha culpa”. Tem desculpa para tudo. Culpam os outros e as circunstâncias pelos seus erros. Essa é uma atitude ainda pior. Não sentir-se culpado quando se erra demonstra orgulho e falta de arrependimento. Da mesma forma que não devemos sentir culpa de forma exagerada não podemos ignorar a culpa.
É preciso buscar um equilíbrio no sentimento de culpa. A melhor forma de resolver isso é temer a Deus, desviar e evitar o mal. Evitando o mal estamos evitando a culpa. Buscar uma vida reta é buscar uma vida de paz, livre do peso da culpa.

O proceder honesto é o caminho para aliviar a culpa