quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Lideres qualificados, igrejas santificadas (Estudo 2)


2. IRREPREENSÍVEL
Presbíteros, diáconos e os crentes de modo geral devem ser irrepreensíveis (I Tm 3.2; Tt 1.6.7). Paulo coloca esta virtude em primeiro lugar porque ela é a principal e engloba todas as outras.
O significado do termo.
Irrepreensível é “o que não merece censura; que não pode ser repreendido” (Dicionário KLS). Esta qualidade relacionada por Paulo não constitui uma novidade no pensamento do Novo Testamento.
Quando a igreja enfrentou o seu primeiro problema de organização em Jerusalém, os apóstolos recomendaram que sete “homens de boa reputação” fossem escolhidos para ajudar a resolver o problema da distribuição dos alimentos (At 6.3). A idéia é a mesma. Um homem irrepreensível é um ho-mem de boa reputação, de comportamento exemplar.
Quando Paulo chegou a Listra em sua segunda viagem missionária, ele ouviu falar de Timóteo. “Dele davam bom testemunho os irmãos em Listra e Icônio” (At. 16.2). Em outras palavras, Timóteo tinha uma “boa reputação”; era “irrepreensível” em todo o seu procedimento. Observe três coisas:
(a)    As pessoas falavam sobre Timóteo. Uma boa reputação gera comentários, antecedentes po-sitivos.
(b)    Mais de uma pessoa estava falando bem de Timóteo. Este é um bom teste para saber se uma pessoa tem ou não uma boa reputação. Todos temos um ou dois amigos que nos admiram, mas o que as pessoas em geral estão dizendo?
(c)    Os irmãos falavam bem de Timóteo em Listra e Icônio. A reputação de Timóteo era boa em casa e longe de casa. Quando nos dois lugares há concordância de bom testemunho acerca de um homem, podemos saber com certeza que ele é irrepreensível. Paulo ficou impressionado com a reputação de Timóteo. Este era o homem (um jovem) que ele queria que “fosse em sua companhia” (At 16.3).
Leva tempo edificar urna boa reputação. Mas deveria ser o alvo de cada cristão. Deve acontecer na-turalmente enquanto crescemos e amadurecemos na vida cristã.
“Desenvolvei a vossa salvação…”
Como dissemos, esta qualidade, que engloba todas as outras, não aparece somente aqui em I Tm 3 e Tt 1. Paulo, em Ef 1.4, ensina-nos que Deus “nos escolheu nEle (Cristo) antes da fundação do mun-do, para sermos santos e irrepreensíveis perante Ele”. E em CI 1.21-22 diz que “Ele nos reconciliou… para apresentar-nos perante Ele santos, inculpáveis e irrepreensíveis” (Ver também Ef 5.25b-27). Em I Co 1.8, lemos esta promessa:  “Cristo vos confirmará até ao fim, para serdes irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus Cristo”. Cristo começou uma “boa obra” em nós e há de completá-la! (Fl 1.6).
Em Fl 2.12b,15 somos exortados a cooperar com o Salvador, não na salvação propriamente, mas no desenvolvimento das virtudes que devem caracterizar a vida dos salvos: “… desenvolvei a vossa salvação para que vos torneis irrepreensíveis… inculpáveis no meio de urna geração pervertida e cor-rupta…”  Não há necessidade de empurrar estas virtudes para o “dia de Cristo”.  Ou seja, não devemos nos acomodar e pensar que só no fim do mundo, no dia da volta de Cristo é que seremos irre-preensíveis. Pedro exorta aos que aguardam aquele dia:  “…empenhai-vos por ser achados por Ele… sem mácula, irrepreensíveis…  E crescei na graça…” (II Pe 3.10-18).
“Modelos do rebanho”.
Vê-se, nestas passagens, que todos os filhos de Deus devem ser irrepreensíveis. Mas em I Tm 3.l-13 e Tt 1.5-9, aprendemos que os presbíteros e diáconos, por razão de suas posições de liderança, devem ser “modelos do rebanho”, nisto e em tudo o mais (I Pe 5.3). O apóstolo Paulo, que também ocupava posição de liderança, pôde escrever aos tessalonicenses. “Vós e Deus sois testemunhas do modo por que piedosa, justa e irrepreensivelmente procedemos em relação a vós outros, que credes” (I Ts 2.10. Ver At 20.18; I Co 11.1). Este procedimento irrepreensível de Paulo e seus companheiros em Tessalônica produziu frutos maravilhosos porquanto os muitos novos convertidos naquela cidade tornaram-se “imitadores”  do apóstolo e, eles próprios, “modelos para todos os crentes na Macedônia e na Acaia” (I Ts 1.6-7). No verso seguinte, Paulo lhes diz: “… de vós repercutiu a palavra do Senhor… e por toda parte se divulgou a vossa fé para com Deus…” Outra vez, a “boa reputação”! Somos irrepreensíveis?
Um pastor, discutindo esta virtude cristã com um grupo de homens, perguntou-lhes o que pensavam a respeito e que palavras usariam para descrever um homem irrepreensível. Abaixo, relacionamos as respostas daqueles homens. Pense em cada uma delas, faça um exame de consciência e escreva “sim” ou “não” nas colunas, conforme o seu caso. Você pode acrescentar outras palavras.
UM HOMEM (OU MULHER) IRREPREENSÍVEL É:
PELA GRAÇA DE DEUS     EU SOU    AINDA NÃO SOU, MAS PROCURAREI SER
Amável
Cordial
Humilde
Honesto
Trabalhador(a)
Perseverante
Organizado(a)
Administra bem o tempo, o dinheiro etc.
Admite quando erra
Aceita orientação
Cumpre a palavra
Transparente; as pessoas sabem o que ele(a) pensa
Não perde a calma; tem domínio próprio
É consistente (vive a fé que professa)


Veja todos os estudos no link abaixo
http://www.hebert.com.br/search/label/Lideran%C3%A7a