quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Vivendo dentro do orçamento


Por Rev. Hernandes Dias Lopes  
Não é fácil lidar com o dinheiro, principalmente quando o dinheiro é pouco e os gastos são muitos. A pressão da sociedade consumista e o apelo do visual que se renova a cada dia para atrair a atenção dos compradores,
geram nas pessoas necessidades e até mesmo uma compulsão por coisas supérfluas e não essenciais.

Daí muitas pessoas ficarem insatisfeitas e até frustradas por não conseguirem acompanhar essa ciranda louca do mundo comercial. O cristão precisa ter alguns princípios elementares que devem reger a sua vida:
1- Viver contente em toda e qualquer situação. Nosso contentamento deve estar em Deus e não nas coisas materiais. O dinheiro e as coisas que o mundo pode nos dar não nos satisfazem. Tendo o que comer e vestir, diz Paulo, com isto devemos estar contentes.
2- Viver dentro do orçamento.  O cristão deve envidar todos os esforços para não gastar mais do que ganha. Ele precisa ser criterioso no seu orçamento. Não podemos começar um projeto sem antes calcular o seu custo. Não podemos viver num padrão acima das nossas possibilidades. O mundo moderno tenta nos levar a comprar o que não precisamos, como dinheiro que não temos para impressionar quem não conhecemos.
3. Não contrair dívidas. Paulo diz: “A ninguém fiqueis devendo nada, exceto o amor...”. Devemos ser muito cuidadosos para não nos envolvermos com dívidas, pois contraí-las sem saudá-las integralmente, no tempo devido, é comprometer o nosso nome, bem como a honra do Evangelho, além de causar transtornos para quem nos socorreu na hora da aflição. Especialmente num mercado financeiro, onde os juros são abusivos, nosso cuidado deve ser redobrado para não cairmos na rede de compromissos financeiros impagáveis. O melhor é evitar comprar a prazo e ter o máximo de critério para não exceder nos cartões de crédito.
4. Fazer um cuidado exame em nossa escala de valores. É bem provável que muitas pessoas já embutiram em seus orçamentos coisas absolutamente dispensáveis e desnecessárias. Precisamos ter um estilo de vida mais simples, mais modesto. Muitas vezes. Gastamos muito em nossos próprios deleites, enquanto investimos tão pouco nas causas nobres do Reino de Deus. Às vezes, chegamos ao ponto de contrairmos dívidas, que vão se tornando uma bola de neve, para mantermos certos itens no nosso orçamento, que bem poderiam ser cortados, sem nenhum prejuízo para nós.
5- Dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. Como cristãos temos deveres para com o Estado e para com Deus. Não podemos sonegar o que lhes é devido. A Bíblia diz que reter mais do que é justo é pura perda. A fidelidade abre sobre nós janelas do céu, pois a bênção de Deus enriquece e com ela não traz desgosto.
Oro a Deus para que sejamos um povo fiel no pouco e no muito. A grandeza de uma pessoa não está no Ter, mas no ser. O bom nome vale mais do que as muitas riquezas. Que Deus nos ajude a administrar com sabedoria os recursos que ele colocou em nossas mãos.