sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Algumas idéias sobre os Livros e Leitura


Por A. W. Tozer
Um dos grandes problemas em muitas partes do mundo contemporâneo é aprender a ler, e em outras é descobrir o que ler depois de ter aprendido. Devemos também decidir o que não ler.

Não é preciso dizer que a maioria de nós não sabe escolher o material de leitura. Em nosso leitura séria somos provavelmente bastante influenciados pela idéia de que o principal valor de um livro e informar; e se estivermos falando de livros didáticos, então isso será naturalmente verdade, mas quando nos referimos a livros, seja em conversa ou por escrito, não temos em mente este tipo de leitura.
O melhor livro não é aquele que simplesmente informa, mas o que estimula o leitor a informar-se. O melhor escritor é o que nos acompanha através do mundo das idéias como um guia amigo que anda a nosso lado na floresta indicando-nos uma centena de prodígios naturais que não tínhamos notado antes. Aprendemos então com ele a ver por nós mesmos e logo não mais necessitamos de um guia. Se ele tiver feito bem o seu trabalho, podemos continuar sozinhos sem perder quase nada de interessante no caminho.
O autor que nos ajuda mais é aquele que traz à nossa atenção pensamentos que estão pairando em nossa mente, à espera de serem reconhecidos como nossos. Tal pessoa faz o papel de uma parteira, assistindo ao nascimento das idéias que se achavam em gestação há muito tempo em nossa alma, mas que sem esse auxílio talvez não viessem a nascer jamais.
A percepção das idéias em lugar da estocagem das mesmas, deve ser o alvo da educação. A mente deve ser um olho que vê em lugar de um recipiente ou depósito de fatos. O homem ensinado pelo Espírito Santo será melhor classificado como um vidente do que como um erudito. A diferença está em que o erudito vê e o vidente vê através, sendo essa com efeito uma enorme diferença.

(*) Trechos extraídos do livro "O Melhor de A. W. Tozer" - Editora Mundo Cristão