sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Da profissão à vocação


Por Ricardo Barbosa de Sousa 
Alguns dias atrás, ouvi um pastor afirmar, até com certo orgulho, que atendia uma média de 30 pessoas por dia em seu gabinete pastoral. A princípio, aquela afirmação me deixou pasmo. Nunca tinha ouvido falar de alguém que tivesse conseguido tal façanha.
Considerando que este pastor trabalha ininterruptamente (sem parar para almoço, água, cafezinho, banheiro etc.) das 8 da manhã às 6 da tarde, ou seja, 10 horas, ele disporia apenas de 20 minutos para cada pessoa, isso sem contar o tempo que se perde entre a saída de um e a entrada de outro.

Vinte minutos para ouvir os dilemas da alma e do coração, aconselhar, orientar e orar com cada um. De duas uma: ou há um certo exagero nos números, comum das estatísticas dos pastores no Brasil, ou o significado da vocação pastoral foi completamente perdido.

Não pretendo, aqui, analisar este fato específico mas, fazer algumas considerações em torno da figura do pastor no mundo moderno. As mudanças pelas quais o mundo vem passando são profundas e rápidas e, inegavelmente, afetam tanto a igreja como o sacerdócio.

A Igreja moderna transformou-se num negócio, numa empresa, e o pastor num executivo que luta para manter-se no mercado. Esta é, talvez, uma das mudanças mais significativas e sérias que estamos atravessando.

Somos agora executivos eclesiásticos, circulando com agendas eletrônicas, telefones celulares, secretárias, auxiliares e assistentes, para atender a um volume cada vez maior de reuniões, entrevistas, conferências, aconselhamentos, etc. Ser ocupado, tornou-se um símbolo de status e sucesso tanto no mundo secular como no religioso. Ter uma agenda repleta de compromissos é sinal de competência; afinal, ninguém considera um médico competente, cuja sala de espera do consultório encontra-se absolutamente vazia, e ele, confortavelmente sentado em sua cadeira lendo uma boa revista. Para ser competente, precisa estar com a agenda dos próximos meses completamente cheia. Este sim é um bom profissional. Nesta busca por sucesso e status não temos mais tempo para construirmos amizades verdadeiras e profundas, nem tempo para caminharmos com nossos amigos no caminho do discipulado. Não temos tempo para ouvir as histórias dos velhos, os dramas dos mais novos e as crises da alma humana. Dispomos apenas de 20 minutos.

Vivemos hoje um processo de profissionalização do sacerdócio, o qual vem deixando de ser uma vocação para tornar-se numa profissão, e isto faz uma diferença tremenda nos resultados. Henri Nouwen em seu livro “Creative Ministry” apresenta três perigos ou armadilhas que estes líderes profissionais enfrentam.

O primeiro é o perigo do concretismo.

Trata-se da tendência ou inclinação de ter como motivação principal os resultados objetivos e concretos decorrentes das ações do ministério.

Muitos líderes encontram-se frustrados porque os resultados que esperam nem sempre aparecem com rapidez e objetividade que gostariam.

O profissionalismo nos induz a avaliar o ministério por resultados mensuráveis. No entanto, o ministro da reconciliação que atua na promoção do encontro do homem com Deus, com o próximo e consigo mesmo, não pode avaliar seu ministério por resultados mensuráveis estatisticamente. 

O segundo perigo é o do poder.

Líderes profissionais encontram-se constantemente diante do perigo de criarem pequenos reinos para eles mesmos. O profissional necessita ser reconhecido, admirado, aclamado.

Precisa sentir-se e preservar-se superior aos outros para mante-los cativos e dependentes. Geralmente o líder profissional é cercado de admiradores e não de discípulos, de dependentes emocionais e não de amigos. O poder impede que as pontes de amizade e comunhão sejam estabelecidas. O líder profissional que cai na armadilha do poder acaba tornando-se um anti-ministro da reconciliação.

O terceiro perigo é o do orgulho.

O profissional reconhece que as mudanças precisam acontecer, empenha-se em converter as pessoas mas é tentado a pensar que ele próprio não precisa de conversão. Ao invés de reconhecer que é parte da comunidade que serve, veste a fantasia de “messias”, intocável, sempre correto e justo.

A natureza da vocação é essencialmente relacional. Somos chamados para promover a reconciliação. Este chamado envolve mais do que a capacidade de execução de projetos de natureza religiosa ou conversas de 20 minutos; envolve a arte de penetrar nos lugares secretos da alma humana e trazer para dentro deles a presença divina, conduzi-los à experiência da oração e ao encontro com o Criador. Isto exige tempo. A profissionalização do ministério torna-nos desumanos, mais preocupados conosco e nosso sucesso do que com a vida e seus afetos.

Algum tempo atrás uma paroquiana abordou-me mais ou menos assim: “Sei que você é uma pessoa bastante ocupada, e que quase nunca tem tempo, mas gostaria de poder conversar um pouco”. Talvez devesse ficar contente com este “elogio”, mas, se não tenho mais tempo para conversar com as pessoas, se estou tão absorvido com meus “negócios” que já não disponho de tempo para o pastoreio, se minha agenda anda tão cheia a ponto de não poder sentar e ouvir um pouco as conversas sobre a vida, que tipo de pastor sou? Precisamos resgatar a natureza da vocação da igreja e do pastor. Não fomos chamados para o mercado, mas para a vida. 

Links

Mensagens Diárias (237) Ilustrações (64) Videos (40) Encorajamento (28) Pastoral (28) Estudos (27) Downloads (26) Datas (21) Áudio (20) Pão Diário (13) Devocional (12) Natal (11) Fábulas (9) Liderança (9) Páscoa (9) Oração (8) 7 Virtudes (7) Sermão (5) Dia das Mães (4) Missões (4) Dia dos Pais (3) Malaquias (3) Aniversário (2) Classe de Novos Membros (2) Cânticos Cifrados (2) Eleições (2) Estudo Bíblico (2) Família (2) Finanças (2) Frases (2) Fé para hoje (2) Ilustração (2) Ilustrações Variadas (2) Notícias (2) Podcast Mensagens (2) Política (2) Santa Ceia (2) Simplicidade (2) Slides (2) Voto (2) 181 Meditações (1) 7 Palavras da Cruz (1) A Razão de nossa fé (1) Artigo (1) Bem Aventuranças (1) Breve Catecismo (1) Calvino (1) Carnaval (1) Catecismo (1) Catecismo Maior (1) Catecismo para Crianças (1) Certeza da Salvação (1) Cinco Pontos do Calvinismo (1) Comentário (1) Confecção de Atas Eletrônicas (1) Confissão de Fé de Westminster (1) Conheça Sua Bíblia (1) Contando os dias (1) Conversão de Manasses (1) Cooperadores (1) Crise do Fazer (1) Células (1) Dadas (1) Dez Palavras (1) Dia Internacional da Mulher (1) Dia da Bíblia (1) Dia da Pátria (1) Dons (1) Doutrinas (1) Efésios; Estudo Bíblico; Comentário (1) Elevo os meus olhos (1) Enchei-vos do Espírito (1) Estudos; (1) Fides Reformata (1) Formatura 1990 SPS (1) Grandeza do Criador (1) Hinário Novo Cântico (1) Hinário Novo Cântico Cifrado (1) História dos Hinos (1) Manual Presbiteriano (1) Manual Unificado (1) Não Adulterarás (1) Opressão (1) Parábolas (1) Paz Diaria (1) Reforma (1) Rev. Andrei (1) Sete Virtudes Celestiais (1) Slide Hinos e Cânticos (1) Tentação (1) Tozer (1) Ultimato (1)