sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Satisfeito

Sofonias 2.1-3

Portanto, sejam perfeitos como perfeito é o Pai celestial de vocês (Mt 5.48).

Ao mesmo tempo que devemos viver com satisfação e contentamento, devemos tomar cuidado para que esta satisfação não se transforme em comodismo ou arrogância. Devemos viver contentes, mas nunca achar que já alcançamos a excelência. M.S. Cortella disse: “Excelência não é um lugar aonde você chega. Excelência é um horizonte. No dia em que você achar que chegou à excelência, você sossega. Aí você caí. Tomemos muito cuidado com a satisfação. A satisfação paralisa, a satisfação adormece, a satisfação entorpece.” Guimarães Rosa, o grande escritor mineiro, dizia: “o animal satisfeito dorme”. A satisfação pode nos deixar em um estado de tranquilidade perigosa. Quem acha que tudo está do jeito que poderia ser não avança. 
O satisfeito arrogante é cheio de certezas. Uma certeza perigosa. Como exemplo o General Sedgwick que combateu na guerra civil americana e morreu em 9 de maio de 1864 com um tiro no olho esquerdo, enquanto observava as tropas inimigas ao longe. A última frase que disse antes de morrer, em meio à Batalha de Spotsylvania, foi: Imagine, eles não acertariam nenhum elefante desta distância! 
O que nos faz crescer são as dúvidas, os desafios. A humildade que nos obriga a pensar de outra maneira, que nos faz viver com cautela. A satisfação pode também trazer consigo a armadilha do mesmo. O viver acomodado com as mesmas coisas o tempo todo. 
Das coisas que vem do passado é preciso saber separar duas situações: 1- Nem tudo que vem do passado é para ser descartado. Há aquilo que precisa ser guardado, protegido. 2 - O que vem do passado pode ser aprimorado, melhorado, reutilizado, transformado. 
Como filhos de Deus estamos sempre em formação. Nossa vida sempre será um aprendizado. E por mais que aprendamos sempre estaremos distante de atingir a perfeição em qualquer coisa. Só quando estivermos com Deus no céu é que realmente poderemos nos considerar satisfeitos.     


Quem se considera invulnerável perde a precaução.