quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Amor durável

1João 4.7-8

Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor” (1Jo 4.8).

Uma mãe e sua filha estavam a caminhar pela praia. Num certo ponto, a menina disse: Como se faz para manter um amor? A mãe olhou para a filha e respondeu: Pegue um pouco de areia e feche a mão com força. A menina assim fez e reparou que quanto mais forte apertava a areia com a mão, com mais velocidade a areia escapava. "Mamãe, mas assim a areia cai!!!" "Eu sei, agora abre completamente a mão..." A menina assim fez, mas veio um vento forte e levou consigo a areia que restava na sua mão. "Assim também não consigo mantê-la na minha mão!" A mãe, sempre a sorrir, disse-lhe: Agora pega outra vez um pouco de areia e mantém-na na mão semi-aberta como se fosse uma colher, bastante fechada para protegê-la e bastante aberta para lhe dar liberdade. A menina experimenta e vê que a areia não escapa da mão e está protegida do vento. "É assim que se faz durar um amor..." 
Uma bela ilustração. O amor não é algo que se sustenta na força. Se alguém tenta  amar ou ser amado pela força só irá conseguir sufocar o amor. Não podemos obrigar e nem ser obrigados a amar. O amor também não se faz com a mão aberta da indiferença, da falta de cuidado. Aquele que não cuida de quem diz que ama está rapidamente perdendo seu amor. 
O amor é o cuidado diário como o exemplo da mão semi-aberta, bastante fechada para protegê-la e bastante aberta para lhe dar liberdade. Um cuidado que dá prazer que proteje sem sufocar, sem machucar.  


Amemos uns aos outros com o amor que procede de Deus.