sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Legítima defesa

Provérbios 15.1-4

“Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus” (Mt 5.9).

Perguntou uma vez um rapaz ainda novo ao pastor da sua igreja: - O senhor acha que seria pecado eu aprender qualquer meio de me defender se for atacado? 
– Certamente que não – respondeu prontamente o ministro. – Eu mesmo aprendi, quando mais jovem, a me defender e tenho achado isso muito útil pela vida afora. 
– Ah! E o que foi que aprendeu, foi o boxe inglês ou o soco português? 
– Nem uma coisa nem outra. Aprendi o jogo de Salomão.
– O jogo de Salomão?
– Sim. É o jogo de Salomão, que se encontra descrito em Provérbios 15:1, e que diz assim: “A resposta branda desvia o furor”. É o melhor sistema de legítima defesa que eu conheço. 
Sábias palavras deste pastor. A melhor defesa não é o ataque. Em muitas ocasiões, uma simples palavra delicada é capaz de fazer cessar grande discórdia. Palavras de sabedoria podem esclarecer mal entendidos e trazer a paz. 
É fácil entender como isso é possível. Os ataques e guerras surgem geralmente do desejo de agradar a si mesmo. Quando no lugar da briga somos humildes, quando nos importamos mais em promover a paz do que satisfazer a nossa vontade, as disputas cessam. 


A força da mansidão é maior do que qualquer forma de retaliação.