terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Essencial

Salmo 131

De tudo o que se tem ouvido, a suma é: Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo homem” (Ec 12.13).

O escritor Ruben Alves, em seu texto “O tempo e as jabuticabas”, fala sobre a maturidade de viver o essencial sem desperdício, sem complicações, não deixando se consumir pelo desejo. Ele diz: “Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos... Quero a essência... Minha alma tem pressa... Quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços... O essencial faz a vida valer a pena... E para mim basta o essencial…”
Muitos vivem escravos de suas vontades. No lugar de buscar o essencial, sua vida é guiada pelos seus muitos desejos. O escritor David Tripp disse: “Eu quero agora, vejo aquilo que quero como uma coisa essencial à vida. Esse é um passo devastador na inevitável escravidão do desejo. Grande perigo este de qualificar como necessidade aquilo que é um desejo.”
Para vencer esta batalha, é preciso deixar o mau uso da palavra necessidade. Buscar o essencial, descomplicar a vida, viver de forma mais simples. 
Esta transformação começa com a lembrança de que Deus é essencial para a vida. Deus é também suficiente. Tendo Deus ao meu lado tenho tudo de que preciso. 
Deus mesmo nos guiará e nos dará o discernimento suficiente para sabermos o que é necessário  ou apenas desejo inadequado. Deus nos mostrará que não somente temos tudo de que realmente precisamos, mas ele nos tem abençoado com muito mais do que precisamos.


Quem espera no Senhor não precisa andar a procura de grandes coisas.