sexta-feira, 26 de maio de 2017

Tirando as máscaras

Tiago 1.16-22

“São justas todas as palavras da minha boca; não há nelas nenhuma coisa torta, nem perversa.” (Pv 8.8).

As máscaras servem para enganar as pessoas, são mentiras contadas e vividas para iludir outros a respeito de áreas da vida. Usar máscaras é tentar parecer ser quem não é. O Rev. Ronaldo Lidório, em seu livro Liderança e Integridade, aborda esta realidade afirmando que o ser humano é construtor de máscaras. Ele declara que há três tipos de máscaras: As máscaras para enganar os de longe, as máscaras mais elaboradas para iludir os de perto e as máscaras do autoengano.
É triste saber que no lugar de ser verdadeiro, o homem tenta se aperfeiçoar na mentira. Às vezes parece que algumas pessoas trocam de máscara como trocam de roupa. Têm uma máscara específica para cada ocasião. 
Não vos enganeis, meus amados irmãos (Tg 1.16). Não se deixe levar pela falsidade e mentira. Ter um guarda roupa cheio de máscaras é permitir que o engano tome conta do espaço da verdade. É viver uma mentira que de tão bem contada se torna a sua verdade. É viver um grande engano. Como nos aconselha Tiago: Não se engane, não seja apenas ouvinte da verdade, mas a pratique. 
Temos sempre contato com a verdade. A sabedoria está próxima de nós por intermédio da Palavra de Deus. Devemos abandonar o mau costume do uso de máscaras e aceitar com humildade a mensagem que Deus planta em nosso coração.


A falsidade engana apenas por um momento. Só a verdade dura.