segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Não digas

Eclesiastes 7.10-14

“Jamais digas: Por que foram os dias passados melhores do que estes? Pois não é sábio perguntar assim.” (Ec 7.10).

De certa forma, a linguagem dirige os nossos pensamentos para direções específicas e, de alguma forma, ela nos ajuda a tomar decisões diferentes. Li uma frase que dizia: “CUIDADO COM A PALAVRA NÃO. A frase que contém NÃO, para ser compreendida, traz à mente o que está junto com ela. O NÃO existe apenas na linguagem e não na experiência. Por exemplo: pense em ‘NÃO’... Não vem nada à mente. Agora, vou lhe pedir: não pense na cor vermelha... Eu pedi para você NÃO pensar na cor vermelha e você pensou. Procure falar no positivo, o que você quer e não o que você não quer”.
Interessante como temos o costume de enfatizar as coisas negativas. Por exemplo: Penso mais no que eu não posso comprar do que no que eu já comprei. Penso mais nas pessoas que me criticam e fico desanimado, do que penso nas pessoas que torcem por mim e me querem bem. Penso mais nas dificuldades que irei enfrentar do que nas muitas coisas boas que também vão chegar. Deveríamos dizer menos a palavra não. Substituí-la por afirmações mais pertinentes. No lugar de dizer eu não sei, podemos dizer, eu vou aprender. No lugar de dizer não gosto de cantar, podemos dizer, eu prefiro escutar. No lugar de dizer eu não vou conseguir chegar, diga, eu chego, mesmo que um pouco atrasado. Devemos ser mais positivos quanto possível e encontrar um melhor caminho para as nossas palavras que não seja apenas o “não”. 


Por que dizer não posso, se tudo posso naquele que me fortalece?