sábado, 2 de setembro de 2017

Alimente o amor

João 6.57-59

“Confia no Senhor e faze o bem; habita na terra e alimenta-te da verdade” (Sl 37.3).

Quem não se alimenta, morre. O alimento é o que repõe nossas energias. Alimentar é sustentar, nutrir. Ouvi uma frase interessante que dizia: “O amor também precisa se alimentar, senão morre de fome”. Às vezes alimentamos o nosso corpo muito bem, mas esquecemos de alimentar nossa alma. Nos alimentamos fisicamente, mas nos tornamos mais rudes, mais desafeiçoados. O amor não pode ser alimentado com pão de farinha. O alimento do amor é o pão celestial. O amor, tendo procedência celestial, precisa alimentar-se de Deus. Amor alimenta-se com amor. A razão da existência de nosso amor é Deus, porque ele é o autor e a fonte de todo nosso amor para com o próximo e para com ele mesmo. 
Alimentamos o amor quando olhamos para o grande amor de Deus em enviar seu filho para nos salvar. O amor de Cristo nos constrange a amá-lo. O perdão que recebemos de Deus nos constrange a perdoar nosso próximo. A Bíblia enfatiza que quem não ama não conhece a Deus. 
Busquemos alimentar nosso amor. Fazemos isso exercitando amor, ajudando os outros, sendo misericordiosos, compassivos. Deixando de lado o amor próprio egoísta, que toma o lugar do amor ao próximo. 
Alimentamos o amor quando seguimos a ordem de Cristo em João 13.34 que diz: “Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros”. 


O mais importante alimento é o amor.