quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Exercitando a piedade

1Timóteo 4.6-10

“Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado” (1Co 9.27).

Paulo escreveu a Timóteo: “Exercita-te pessoalmente na piedade…” (1Tm 4.7). Os gregos davam muita importância ao exercício físico. Paulo, porém, afirma que “o exercício físico para pouco é proveitoso, mas a piedade para tudo é proveitosa, porque tem a promessa da vida que agora é e da que há de ser” (v.8). O exercício físico aumenta a força física e traz alguma satisfação pessoal, mas tudo isto tem pouco proveito quando comparado com os benefícios da piedade, nesta vida e na que há de vir.  Foi neste sentido que Paulo escreveu a Timóteo nesta epístola: “De fato, grande fonte de lucro é a piedade” (1Tm 6.6). A própria comparação que Paulo faz entre o exercício da piedade e o exercício físico, no contexto dos jogos e competições gregos, dá-nos as dicas para o exercício da piedade. 
Rev. Éber Lenz César diz: “O atleta alimenta-se adequadamente e se exercita o mais possível. Assim também nós devemos nos alimentar adequadamente da Palavra de Deus e gastar as energias espirituais na prática da justiça e no serviço a Cristo. A oração, praticada regularmente, é também um excelente exercício espiritual. O atleta se priva de tudo o que é supérfluo a fim alcançar melhores metas. Assim também nós devemos desembaraçar-nos de tudo aquilo que possa estorvar o nosso progresso espiritual e o nosso serviço a Cristo (Hb 12.1)”. 
Devemos fixar os nossos olhos em Cristo, nosso modelo e inspiração (Hb 12.2).  


Nossa meta como atleta de Cristo é realizar a vontade de Deus.