terça-feira, 26 de setembro de 2017

Perseverai na oração

Efésios 6.17-20

“E tudo quanto pedirdes em oração, crendo, recebereis” (Mt 21.22).

O tema oração sempre gera um certo incômodo. Isso porque, mesmo sendo um exercício espiritual dos mais importantes, também é um dos mais negligenciados. 
Nos perguntamos: Por que não oro mais? Ou falamos para nós mesmos: Preciso orar mais! Dois problemas podem ser vistos aqui: Primeiro, talvez você ore mais do que pensa. Orar não é somente quando fechamos os olhos, quando falamos palavras audíveis a Deus. Oramos em todo tempo. Quando dirigimos a Deus um pensamento sincero, um pedido de confirmação, uma palavra de gratidão. Em segundo lugar, o problema pode ser a falta de prática. Orar é um exercício e, como qualquer exercício, somente através de uma prática constante poderá tornar-se mais eficaz. É preciso praticar a oração. Todos os dias devemos ter uma hora específica para orar exclusivamente. Parar todas as coisas, encontrar um lugar silencioso e nos debruçar diante de Deus. Se não tivermos disciplina não vamos fazer isso. 
São grandes os motivos para orarmos. O principal deles é nossa carência espiritual. Spurgeon fala duramente sobre isso: “Não tendes nada que desejais? Então não conheceis vossa pobreza. Não há nada por que peçais misericórdia a Deus? Talvez, então, a misericórdia do Senhor vos mostre a vossa penúria. Uma alma que não ora é uma alma sem Cristo. A oração é o murmúrio do crente recém-nascido, o clamor do crente guerreiro, o réquiem do santo que está à morte, que está prestes a dormir em Jesus”. Pensemos nisto. Nos dediquemos à oração. 


Sirva ao Senhor com fervor e ore sempre.