sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Boa ou Má Sorte?

Lamentações 3.37-40

Conforme os teus juízos, assim tudo se mantém até hoje; porque ao teu dispor estão todas as coisas” (Sl 119.91).

Um ancião lavrador tinha um velho cavalo para cultivar seus campos. Um dia o cavalo escapou para as montanhas. Quando os vizinhos do lavrador lhe disseram que má sorte ele tinha por perder o cavalo, ele lhes replicou: Boa sorte? Má sorte? Quem sabe? Uma semana depois o cavalo voltou trazendo consigo uma manada de cavalos selvagens. Então, seus vizinhos o felicitaram por sua boa sorte e este lhes respondeu: Boa sorte? Má sorte? Quem sabe? Quando o filho do lavrador tentou domar um daqueles cavalos selvagens, caiu e fraturou uma perna. Todo mundo considerou isto como uma desgraça. Não pensou pensou assim o lavrador que se limitou a dizer: Boa sorte? Má sorte? Quem sabe? Algumas semanas mais tarde, o exército entrou no povoado e foram recrutados todos os jovens que se encontravam em boas condições. Quando viram o filho do lavrador com a perna fraturada o deixaram tranquilo. Haveria sido boa sorte? Má Sorte? Quem sabe.
Ao ouvir esta história lembramos de Romanos 8.28: “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”. Não se trata de ficar analisando os acontecimentos e dizendo “isso foi bom, isso foi mal”. Em nossa vida devemos ser agradecidos em todo tempo. Devemos compreender que todas as coisas, “boas e más”, contribuem para o nosso bem. Não sabemos, mas Deus conhece tudo e ele cuida de todos os detalhes. 


Existe um propósito em cada folha que cai.