sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Coisas da idade

2Coríntios 4.16-18

“Se alguém gerar cem filhos e viver muitos anos, até avançada idade, e se a sua alma não se fartar do bem, e além disso não tiver sepultura, digo que um aborto é mais feliz do que ele.” (Ec 6.3).

Se você já alcançou uma certa idade deve ter passado pela experiência de encontrar alguém que não via há muito tempo e olhando para aquela pessoa você pensa: Como ele(a) envelheceu… Aí, no mesmo instante, passa por sua cabeça a dúvida: Será que ele(a) também está me achando mais velho(a)?
O professor Leandro Carnal diz que isso acontece pois temos a tendência de ser “negadores do tempo”. Pessoas que mentem a idade ou pelo menos não falam para ninguém. Usam roupas que mais seriam adequadas para seus filhos e netos. E aparentemente são muitos dispostos. “Indivíduos que dizem estar melhor aos setenta anos do que quando tinham trinta e cinco. Fuja destes seres: além de vaidosos são mentirosos. São os que realmente não suportam o declínio físico e, assim, defendem-se com esta tática final”. 
Talvez não sejam tão mentirosos e vaidosos, mas somente negadores do tempo. O tempo passa devagar, é possível que não estejamos percebendo que os cabelos estão mais brancos e mais escassos. A realidade é que nós envelhecemos e isso não é algo que deve nos envergonhar. Envelhecer, além de rugas, pode trazer renovação espiritual. O corpo envelhece, mas o espírito se renova dia a dia. Melhor do que um corpo perfeito é uma alma limpa, farta de bens, cheia de frutos. 

O maior privilégio do tempo é o fortalecimento da fé.