terça-feira, 30 de janeiro de 2018

O que adianta?

Isaías 60.19-22

Pois que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro, e perder-se ou destruir a si mesmo? (Lc 9.25)

Um galo, que procurava no terreiro alimento para ele e suas galinhas, encontrou uma pedra preciosa de grande beleza e valor, ao que exclamou:
- Se seu dono tivesse te encontrado ao invés de mim, ele com certeza iria dançar e pular de alegria e também decerto iria te louvar; no entanto eu te achei e de nada me serves. Teria preferido achar um simples grão de milho que todas as joias do mundo. 
Que galo esperto! Muito mais esperto do que aqueles que não conseguem compreender o que o evangelista Marcos disse: “Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” (Mc 8.36). Andamos à procura de alimento para a nossa vida e esbarramos com muitos tesouros preciosos, mas maliciosos. Muitos caminhos são excelentes para aqueles que amam o mundo, mas veneno para nós que somos servos de Deus. Em Mateus 4.4, Jesus lembra que “nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus”. Nossa procura e dedicação não pode se limitar ao pão da terra. Nosso alimento deve ser o pão do céu. E Jesus disse: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Se alguém comer deste pão, viverá para sempre. Este pão é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo” (Jo 6.51). 
O sábio galo disse para o tesouro que encontrou: “De nada me serves”. Sua fome não poderia ser saciada com aquela pedra encontrada. Precisamos entender isso. Nada que este mundo tenha a nos oferecer poderá matar nossa fome, suprir nossas necessidades. Como disse C. S. Lewis: “O fato de que o nosso coração não consegue ser preenchido pelas coisas da terra, é a prova de que o céu deve ser a nossa casa”. 
O verdadeiro alimento para nós e nossa família é fornecido por Deus. Quando nos ofertarem as migalhas deste mundo, por mais que venham disfarçadas de tesouros, não sejamos seduzidos. Quanto mais nos aproximamos de Deus, mais reconheceremos o seu valor e ao mesmo tempo a falta de valor das coisas desta terra. 


Que o brilho deste mundo se apague diante da percepção da glória de Deus.