sábado, 22 de dezembro de 2018

Belém Efrata


Lucas 2.1-7

E tu, Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá (Mq 5.2a).

Jesus nasceu em Belém Efrata. Um lugar humilde perto de outros como a própria Jerusalém. Mas um lugar especial. Belém era uma cidade real, porque reis foram gerados ali. Gostaria que atentássemos para o nome “Belém Efrata” e seu significado. 
A palavra “Belém” tem um duplo significado: quer dizer “casa de pão”, e “casa da guerra”. 
Spurgeon disse: Interessante ver que Cristo nasceu na “casa do pão”? Ele é o pão de seu povo. Não existe alimento como Jesus para a alma desesperada ou para o mais forte dos santos. E também é chamada “a casa da guerra”; porque Cristo é para os homens “casa do pão”, ou do contrário, “casa da guerra”. Enquanto ele é alimento para o justo, faz guerra ao ímpio. Jesus é o verdadeiro alimento. Quando o buscamos temos satisfação e sustento. Já aquele que nele não crê, não tem na vida felicidade, vive em guerra e está sujeito à morte. 
A palavra “Efrata” significa “fecundidade” ou “abundância”. Esse era o antigo nome de Belém. Spurgeon disse: Jesus nasceu na casa da fecundidade, fertilidade. Sem Jesus nossos pobres corações infrutíferos nunca produziram nenhum fruto. Se nós somos como árvores plantadas junto à correntes de águas, dando fruto na estação própria, não é porque tenhamos sido naturalmente frutíferos, mas antes, por causa das correntes de águas juntos as quais fomos plantados. Em Jesus temos vida em abundância. Somos capacitados para fazer o bem. Jesus é que nos faz fecundos. “Quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto” (João 15.5).  
Que neste Natal, possamos lembrar que Jesus nasceu não apenas para se tornar um grande homem que é lembrado de forma especial no mês de Dezembro. Jesus nasceu, viveu, morreu e ressuscitou por amor a cada um de nós que cremos e buscamos a sua presença. Jesus nasceu em Belém, mas também nasceu em nosso coração nos dando sustento e vida. 

De Belém, da casa do pão, vem o nosso alimento.