quinta-feira, 4 de abril de 2019

Rumo à cidade celestial


Leitura Bíblica: João 6.60-69

O meu corpo e o meu coração poderão fraquejar, mas Deus é a força do meu coração e a minha herança para sempre (Sl 73.26).

No livro O Peregrino, de John Bunyan, um homem chamado Cristão sai da Cidade da Destruição para chegar à Cidade Celestial. No meio do caminho, enfrenta perigos e pessoas que poderiam desanimá-lo em sua caminhada. Ele encontra dois homens que desistiram de ir à Cidade Celestial por causa dos perigos. Ao ouvir sobre os perigos, Cristão responde: “Às vossas palavras aterrorizaram-me; mas para onde fugirei com segurança? Se volto para o meu país, é certa a minha desgraça, porque aquela terra está condenada ao fogo e ao enxofre; mas, se consigo alcançar a Cidade Celestial, ficarei seguro para sempre. Avante, pois, tenhamos confiança! Retroceder é ir ao encontro da morte certa; avançar é apenas temer a morte, mas com a vida eterna em perspectiva. Avante, pois!”
Lendo estas palavras do personagem chamado Cristão, lembrei-me da conversa de Jesus com seus discípulos. Muitos estavam abandonando Jesus. A sua fase de popularidade estava passando. Isso, de certa forma, deixou seus apóstolos assustados. Mas Jesus sabia que isso iria acontecer. Sabia que muitos que o seguiam não eram sinceros, iriam traí-lo. Neste momento, Jesus faz uma pergunta intrigante aos seus apóstolos: “Jesus perguntou aos Doze: Vocês também não querem ir?” (Jo 6.67). A esta pergunta, Pedro respondeu: “Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna. Nós cremos e sabemos que és o Santo de Deus” (Jo 6.68-69).
Retroceder jamais. Sabemos que Deus nos tirou do pecado e da morte. Sabemos que estamos caminhando rumo à cidade celestial, para a presença de Deus. A viajem pode ser cansativa, as tentações podem nos atrasar, mas nada pode nos fazer desistir. Tenhamos confiança. Tenhamos nossos olhos bem firmados no autor e consumador de nossa fé, Jesus. 
Firmados nas promessas de Deus, estejamos firmes em nossos caminhos. Não existirá fraqueza que possa romper a força que Deus dá. 

Queremos ir sim para a cidade celestial.