terça-feira, 22 de abril de 2008

Casa nova

2 Pedro 3.7-18

Considero que os nossos sofrimentos atuais não podem ser comparados com a glória que em nós será
revelada (Rm 8.18).

Hoje vi um adesivo em um carro que dizia: “Na casa de meu pai há muitas moradas e ainda existem vagas”. Achei interessante a forma que o dono do carro encontrou para convidar pessoas ao encontro com Deus. Importante também é a lembrança que nossa casa aqui na Terra é passageira. Quando não nos lembramos disso, sofremos muito por tentar fazer deste lugar o que ele não é e nunca vai ser.
Na verdade, só teremos uma casa quando estivermos no céu com Deus. Aqui, nossa casa é provisória e, como tudo que é provisório, cheia de problemas. Neste mundo veremos pecado, fragilidade, desigualdade, doença, insegurança, mesmo que por alguns momentos tudo pareça muito bem. Mas na casa do céu haverá justiça plena; teremos paz, não mais haverá dor nem morte.
Saber disso é um grande consolo. Os sofrimentos do presente não podem ser comparados com a glória que virá. Por mais que estejamos passando por dificuldades, por mais que vejamos o mal em atividade, sabemos que tudo isso vai passar e teremos vida eterna gloriosa.
A promessa que temos é que esse dia logo chegará. Os dias podem parecer compridos, mas para Deus mil anos são como um dia, Ele não tarda em cumprir sua promessa. O dia do Senhor virá e será um dia de glória, poder, beleza, comunhão.
Saber disso é oportunidade de preparo. Ao invés de desfrutar prazeres passageiros e pecaminosos devemos viver de forma santa, esperando o dia do Senhor. Quanto mais preparados estivermos, mais perto estará a sua vinda.
O escritor Max Lucado disse sabiamente: “Em breve você estará em casa. Talvez ainda não tenha notado, mas está cada vez mais perto de casa. Cada momento é um passo dado. Cada respiração é uma página virada. Cada dia é um quilometro percorrido, uma montanha escalada. Você está mais perto de casa do que imagina. Antes que você perceba, seu dia marcado chegará”

Lembrar do céu é viver melhor na terra.