terça-feira, 25 de junho de 2019

Visão real


Leitura Bíblica: Salmo 139.23-24

Os olhos são a candeia do corpo. Se os seus olhos forem bons, todo o seu corpo será cheio de luz (Mt 6.22).

A visão de si mesmo é uma qualidade humana que deve ser destacada. “Os outros animais, mesmo diante de um espelho, não se reconhecem na imagem refletida, não aproveitam a imagem refletida, não aproveitam a imagem especular para melhorarem suas aparências. Nós, humanos, mesmo sem espelho, somos capazes de nos vermos vendo” (Augusto Boal). Será que temos aproveitado bem esta capacidade ou usado apenas para pentear o cabelo? Sabemos reconhecer as nossas imperfeições e pecados ou só olhamos para as falhas dos outros? Acredito que até olhamos para nós mesmos, mas de forma muito rápida, irrefletida. É preciso enxergar melhor, ver com calma todos os detalhes, notando o que é preciso mudar e também as próprias qualidades. A visão que Deus nos dá de nós mesmos não é só para vermos os nossos defeitos ou qualidades, também devemos conhecer nossos dons para exercitá-los e colocá-los em prática. Muitos têm uma visão de inferioridade, o que é tão ruim quanto uma visão de superioridade. 
Elben L. César disse: “O homem não se vê a si mesmo como convém. Só se tomar emprestado os olhos de Deus e se olhar através deles”. Em Apocalipse 3.18 a igreja de Laodiceia é exortada a comprar colírio para ungir os seus olhos e poder enxergar. Se a nossa visão de nós mesmos está meio embaçada, precisamos de remédio para limpar os olhos. O remédio para os olhos é o cuidar do coração. É pedir a Deus que ele prove e transforme os nossos pensamentos, apontando o caminho mau, nos guiando pelo caminho correto. Precisamos clamar a Deus como o salmista que disse: “Olha para mim e responde, Senhor, meu Deus. Ilumina os meus olhos, ou do contrário dormirei o sono da morte” (Sl 13.3). Assim teremos uma visão real de nós mesmos. 
Na estrada da vida, os nossos olhos são os faróis, são a lâmpada do corpo. Os faróis precisam estar funcionando corretamente. Assim evitaremos muitos acidentes. 

Boa vista, boa vida.

segunda-feira, 24 de junho de 2019

Sobre a tentação


Leitura Bíblica: 1Coríntios 10.12-13

E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal, porque teu é o Reino, o poder e a glória para sempre. Amém (Mt 6.13).

A tentação é obra maligna usada por Satanás para enganar o homem fazendo-o pecar. A tentação nunca vem de Deus, nós somos tentados pelo Diabo, pela nossa cobiça (Tg 1.13-15).
1. O engano da tentação: Cada um de nós tem um ponto fraco, neste ponto somos fortemente tentados. A tentação é um engano que tenta nos convencer de que ser tentado é pecado. Quando estamos sendo tentados, temos a sensação de que estamos pecando. Temos uma ideia de santidade que vive a sonhar com carneirinhos e pensar em flores a todo instante, o que não é verdade. Somos bombardeados com maus pensamentos e desejos, mas isso não significa que estamos pecando.
2. A força da tentação: A tentação traz consigo a ideia de que não temos opção para resisti-la, sua força nos engana, nos convencendo que já pecamos e sua força nos faz entregar os pontos antes da hora. Ela é como uma forte tempestade que vem de surpresa, trazendo um sentimento de derrota, de que tudo está desmoronando. Nestes momentos temos que ter fé em Deus, na certeza de que as coisas antigas já passaram e que não seremos tentados além das nossas forças. 
3. Resistir e lutar é o único caminho: “Resisti ao Diabo e ele fugirá de vós”. Para isso, precisamos nos preparar com jejum e oração. Todos somos tentados por alguma coisa, por isso todos nós precisamos vigiar e orar para não entrar em tentação (Mt 26.41). Nossa luta tem como base a promessa de Deus de prover livramento. Jesus foi tentado e não pecou e é poderoso para nos socorrer (Hb 2.18). Temos que insistir nesta luta, não podemos desistir dizendo: “é só mais esta vez”, e muito menos dizer: “depois eu peço perdão”. Não podemos alimentar a tentação dando assim maior força a ela. Nunca se afaste de Deus e da igreja por ter caído em pecado, isso é o mesmo que desistir de lutar. Tenha a certeza de que um dia o livramento virá. 

Orem para que vocês não caiam em tentação.

domingo, 23 de junho de 2019

Falsidade


Leitura Bíblica: 2Timóteo 3.14-17

A integridade dos justos os guia, mas a falsidade dos infiéis os destrói (Pv 11.3).

Elierme Mantaia, falando sobre falsidade, disse: “Ao receber uma cédula de cem reais, você percebe que a efígie é do Zé Carioca. O que você faz? Muito provavelmente não aceita, pois reconhece que a cédula é falsa. Entretanto, é possível, através da lavagem química e outros métodos, transformar cédulas de um real em cédulas de cem. Muitas pessoas têm aceitado essas cédulas como verdadeiras. Por que não se aceita a primeira cédula e aceita-se a segunda, se ambas são falsas? A resposta é evidente: Por causa da sutileza. Cuidado com as falsidades. Tem muito tico-tico pintado de canário por aí”!
Uma das maiores armas do inimigo é a mentira. E para ser boa a mentira precisa parecer verdadeira. São muitas as armadilhas da falsidade. Ela tenta nos convencer que alguns pecados não são pecado. Vem muitas vezes disfarçada em forma de preguiça, nos fazendo quebrar compromissos ou desistir de atividades importantes. E até disfarçada de vontade de Deus, quando tomamos decisões conforme a nossa vontade, acreditando ser a vontade de Deus. 
Diante desse pecado, a nossa ação deve ser dupla. Devemos nos guardar da falsidade e também de sermos falsos. O risco que corremos é duplo, por isso devemos sempre pensar nestas duas hipóteses - Ser falso e ser enganado por falsos. Existe o perigo de acomodar no mal da mentira, da aparente facilidade do agir com falsidade. O Salmo 34.13 diz: “Guarde a sua língua do mal e os seus lábios da falsidade”. Precisamos nos afastar deste mal buscando fazer o bem. Falar a verdade, agir com integridade. E também existe o perigo das más influências, de aparentes amigos que nos incentivam a fazer o que é errado. O perigo da influência da própria sociedade do mundo em que vivemos. Devemos sempre buscar a firmeza da verdade. Buscar o verdadeiro esclarecimento e discernimento do Espírito Santo em todas nossas ações e decisões. 

Permaneça na verdade.

sábado, 22 de junho de 2019

Críticas que prejudicam


Leitura Bíblica: 1 Pedro 4.8-11

O falar amável é árvore de vida, mas o falar enganoso esmaga o espírito (Pv 15.4).

Vivemos e convivemos com pessoas estranhas, amigos e familiares. Sempre vamos concordar e discordar uns dos outros. Uma prática muito perigosa nos relacionamentos é a crítica sem delicadeza, sem filtro, quando criticamos de forma grosseira, fazendo uma caricatura dos defeitos e falhas que enxergamos nos outros. Palavras ditas impensadamente prejudicam nossos relacionamentos. Por exemplo, a mulher reclamando do marido: “Você sempre chega tarde”, ou o marido falando para a esposa: “Você está ridícula com esta roupa”! A maneira de dizer pode ser melhor. A mulher poderia expressar seu desejo de ficar mais tempo com seu esposo e o marido dizer que gosta mais quando sua esposa veste outra roupa. 
Críticas prejudicam quando são palavras de acusação, demostrando raiva. Podemos expressar nosso descontentamento de alguma coisa sem fazer acusação às pessoas. Toda forma de agressão deve ser rejeitada por nós. Inclusive agressões verbais - gritaria, xingamentos e até olhares raivosos. No lugar da agressão devemos agir com amor. O amor que é paciente, que faz o bem, que deseja ajudar o outro e não apenas apontar seus defeitos. Quando dizemos palavras suaves, alimentamos a vida. Palavras amáveis são saudáveis a quem ouve. 
Quem ama tem mais facilidade de perdoar. Uma vez perguntaram a um sábio quantas vezes a gente deve refletir para julgar. Ele disse: se for para condenar deve-se refletir cem vezes, mas se for para perdoar, uma vez apenas basta, porque erra quem condena sem hesitar, mas erra muito mais quem hesita em perdoar. “Acima de tudo, porém, tende amor intenso uns para com os outros, porque o amor cobre multidão de pecados” (1Pe 4.8). “Pedro não está dizendo que nossos atos amorosos expiam pecados. Longe disso! O surpreendente ponto de Pedro é que o amor esconde as faltas de outros em vez de fazer delas um espetáculo” (Michael Horton). 

Amor demonstra humildade e consideração para com o próximo. 

sexta-feira, 21 de junho de 2019

Somente Deus


Leitura Bíblica: Salmos 20.5-9

Alguns confiam em carros e outros em cavalos, mas nós confiamos no nome do Senhor, o nosso Deus (Sl 20.7).

Em uma guerra, quanto mais carros e cavalos um povo tinha maior era sua confiança de vitória. Mas o povo de Deus aprendeu por experiência que a vitória estava na confiança em Deus. Não era sempre dos fortes a vitória. A vitória era daqueles que encontravam socorro no Senhor. A nossa tendência é correr na confiança dos cavalos, daquilo que aparentemente nos dá segurança. Assim cometemos um enorme erro. Aquilo em que colocamos nossa confiança se torna o nosso deus. E quem adora o deus errado se decepciona, perde a luta. Jeremias dá um exemplo disto dizendo: “Os costumes religiosos das nações são inúteis: corta-se uma árvore da floresta, um artesão a modela com seu formão; enfeitam-na com prata e ouro, prendendo tudo com martelo e pregos para que não balance. Como um espantalho numa plantação de pepinos, os ídolos são incapazes de falar, e têm que ser transportados porque não conseguem andar. Não tenham medo deles, pois não podem fazer nem mal nem bem, não há absolutamente ninguém comparável a ti, ó Senhor; tu és grande, e grande é o poder do teu nome” (Jr 10.3-6). Jeremias ainda diz no v. 14 que cada ourives é envergonhado pela imagem que esculpiu. Imagens não têm vida. 
Quando colocamos algo no lugar de Deus, quando esculpimos nossos ídolos, ficamos decepcionados e envergonhados. O poder de Deus é incomparável a qualquer outro poder. Deus fez os céus e a terra, os nossos ídolos não passam de nada. Eles não podem nos dar vida. A grande questão levantada aqui é mostrar que somos filhos de um Deus vivo e poderoso. Ele faz tremer a terra, forma as nuvens, firma o mundo para que não se abale. A este Deus podemos recorrer, só ele pode nos socorrer. Não é sábio desprezar a ajuda de Deus.  “Os líderes do povo são insensatos e não consultam o Senhor; por isso não prosperam e todo o seu rebanho está disperso” (Jr 10.21). Podemos consultar a Deus e nos fortalecer. 

Em Jesus temos acesso ao Pai. 

quinta-feira, 20 de junho de 2019

Empregados e Patrões


Leitura Bíblica: Efésios 6.5-9

Tudo o que fizerem, seja em palavra ou em ação, façam-no em nome do Senhor Jesus, dando por meio dele graças a Deus Pai (Cl 3.17).

Os servos da passagem de Efésios eram escravos e os senhores eram os donos dos escravos. Na época de Paulo, a população tinha uma alta porcentagem de escravos. Havia um conceito de indignidade do trabalho. Os escravos trabalhavam não somente como empregados domésticos, mas também como professores, médicos, administradores. O cristianismo vai aos poucos minando a força da escravidão. A pregação não ataca diretamente as leis existentes, mas com seu ensino vai mudando o pensamento das pessoas. Uma revolução moral e espiritual mais do que política e social. 
Neste contexto, Paulo ensina aos servos e senhores. Podemos aplicar seu ensino aos empregados e patrões. Primeiro encontramos uma palavra aos empregados. E Paulo diz a estes: Obedecei a vosso Senhor. Como deve ser esta obediência? Deve ser cheia de espírito solícito e consciente de seu dever. Trabalhar de forma respeitosa e eficiente, com gratidão e alegria e não má vontade, não apenas quando o chefe está olhando, preocupado apenas com os benefícios do trabalho. O incentivo que é dado aos servos, aos empregados, é que o trabalho que eles fazem é para Cristo. É um ato de obediência a Cristo, é à vista de Deus. Por isso deve ser feito como se fosse para Cristo. Como incentivo Paulo também diz que todo trabalho bem feito tem recompensa de Deus. Em segundo lugar encontramos uma palavra aos patrões. Eles são exortados a tratar bem seus funcionários. Quem quer ser bem servido deve também servir. A cooperação é uma via de mão dupla. Os patrões não devem aproveitar sua posição de liderança fazendo ameaças, tratando mal seus funcionários. Um bom relacionamento não pode ser movido pela força. Os patrões devem lembrar que eles também têm um Senhor a quem devem prestar contas. Deus não dará prioridade aos patrões. Ele não faz acepção de pessoas. Trata a servos e senhores igualmente. 

Nossa atenção deve ser para nossos direitos e responsabilidades.

quarta-feira, 19 de junho de 2019

Herança superior


Leitura Bíblica: 1Pedro 1.3-7

Em vez disso, esperavam eles uma pátria melhor, isto é, a pátria celestial. Por essa razão Deus não se envergonha de ser chamado o Deus deles, e lhes preparou uma cidade (Hb 11.16).

No livro O Peregrino, de John Bunyan, quando o personagem chamado Cristão resolve sair da Cidade da Destruição, dois homens tentam trazê-lo de volta, Obstinado e Volúvel. Quando Obstinado pergunta sobre o que ele procurava ao sair da Cidade da Destruição, ele respondeu que procurava uma herança incorruptível, que não pode contaminar-se nem murchar (1Pe 1.4), reservada com segurança no céu para nós (Hb 11.16), que somos guardados aqui para ela. Mais adiante, ele encontra uma senhora, chamada Prudência. No meio da conversa ela pergunta se por acaso ele pensava na Cidade da Destruição. Sua resposta foi um triste sim e que oportunidades de voltar não faltaram, mas não o fez porque aspirava por “uma pátria melhor, a pátria celestial”. 
A chamada cidade da destruição representa o mundo corrompido e suas ofertas constantes. Vivemos neste mundo, mas não podemos nos apegar a ele. Devemos sempre lembrar que somos peregrinos, que estamos aqui de passagem. Nosso maior anseio deve ser por nossa pátria celestial. Achei interessante a resposta do personagem Cristão quando foi perguntado sobre porque ele procurava sair da cidade da destruição. Ele disse que procurava uma herança incorruptível. Tudo que existe hoje vai passar, tudo será destruído. Mas nossa herança nos céus é eterna. 
Como o personagem Cristão do livro O Peregrino, somos tentados a voltar ao pecado constantemente. Infelizmente, desejamos morar na cidade da destruição. Mas pela graça de Deus não voltaremos mais para lá. Fomos resgatados do pecado para sermos servos de Deus. Ele muda nosso anseio pelo pecado para o desejo de uma pátria melhor. Saímos da cidade da destruição e por isso não perdemos nada. Só ganhamos, pois já não seremos mais destruídos com ela. E nossa herança dos céus é infinitamente melhor.

Herança mais valiosa do que o ouro que perece. 

terça-feira, 18 de junho de 2019

Junto de Deus


Leitura Bíblica: João 15.6-10

Quanto a vocês, cuidem para que aquilo que ouviram desde o princípio permaneça em vocês... Vocês também permanecerão no Filho e no Pai (1Jo 2.24).

Encontramos em Jeremias 13.1-11 a parábola do cinto de linho. É a seguinte: Deus disse a Jeremias: “Vá comprar um cinto de linho e ponha-o em volta da cintura, mas não o deixe encostar na água”. Jeremias fez tudo conforme foi instruído. Deus então falou: “Pegue o cinto que você comprou e está usando, vá agora a Perate e esconda-o ali numa fenda da rocha”. E assim ele fez. Passados muitos dias, o Senhor falou com Jeremias novamente e disse: “Vá agora a Perate e pegue o cinto que lhe ordenei que escondesse ali”. Ele foi e então quando desenterrou o cinto, viu que ele estava podre, já era totalmente inútil. 
A explicação da parábola vem a partir do v.9. Declara o Senhor: “Do mesmo modo também arruinarei o orgulho de Judá e o orgulho desmedido de Jerusalém. Este povo ímpio, que se recusa a ouvir as minhas palavras, que age segundo a dureza de seus corações, seguindo outros deuses para prestar-lhes culto e adorá-los, que este povo seja como aquele cinto: completamente inútil! Assim como um cinto se apega à cintura de um homem, da mesma forma fiz com que toda a comunidade de Israel e toda a comunidade de Judá se apegasse a mim, para que fosse o meu povo para o meu renome, louvor e honra. Mas eles não me ouviram”.
Esta parábola é muito oportuna para cada um de nós nos dias de hoje. Assim como um cinto que fica apegado à cintura, nós devemos viver apegados a Deus. “O cinto era uma das roupas mais íntimas, sempre junto do corpo” (R. K. Harrison). Deus disse que fez com que seu povo se apegasse a ele. Deu oportunidade para eles terem um relacionamento íntimo com ele. Mas eles se afastaram. Quem se afasta de Deus torna sua vida inútil. Vai se corrompendo, apodrecendo. Vai perdendo seu vigor e logo seca. Junto de Deus estamos protegidos de todas as influências do pecado e temos a nossa vida fortalecida.

Deus quer seu povo bem perto dele. 

segunda-feira, 17 de junho de 2019

Desejo carregar a cruz


Leitura Bíblica: Mateus 16.24-26

Pois os olhos do Senhor estão atentos sobre toda a terra para fortalecer aqueles que lhe dedicam totalmente o coração. Nisso você cometeu uma loucura. De agora em diante terá que enfrentar guerras (2Cr 16.9). 

Deus está procurando homens e mulheres cujos corações estejam comprometidos com ele, que desejam ardentemente conhecer a Cristo, na intimidade, e segui-lo com diligência (Fl 3.7-10, 12-16). O evangelho de Marcos conta que Simão carregou a cruz de Jesus. Ele diz: “E obrigaram certo Simão, cireneu, pai de Alexandre e de Rufo, que por ali passava, vindo do campo, a carregar-lhe a cruz (Mc 15.21). Cirene, na África do Norte, possuía numerosa população judaica. Provavelmente, Simão era judeu daquele lugar, que viera à festa. Foi pego de surpresa e obrigado a carregar a cruz, pois Jesus que não tinha forças. Podemos imaginar que ele não faria isso espontaneamente. Ele não iria carregar a cruz de um criminoso qualquer que não conhecia. Estava ali para uma festa, nem se importava com o acontecimento mais importante da história que acontecia naquele momento. Será que nós temos percebido a necessidade de carregar a cruz de Cristo? Estamos fazendo isso espontaneamente? Se estamos atentos apenas à nossa própria vontade, se nossa atenção é maior para as nossas atividades, não iremos enxergar a verdadeira necessidade que é levar a cruz de Cristo.
Que privilégio teve Simão, ele foi escolhido, chamado entre tantos na multidão para carregar a Cruz. Nós também fomos escolhidos em meio a uma multidão, escolhidos, salvos por Cristo e chamados para carregar a Cruz. Enquanto muitos se recusam a fazer isso, nós devemos seguir a Jesus, tomar a sua cruz. Mateus 10.38-39 diz: “E quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim. Quem acha a sua vida a perderá, e quem perde a sua vida por minha causa a encontrará”. Encontrando a Cristo encontramos a vida. Não vivemos mais para nós mesmos, mas para servir a Cristo. 

Não perca a Cruz de vista.

domingo, 16 de junho de 2019

Santifique-se


Leitura Bíblica: Josué 7.11-14

Porque Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santidade (1Ts 4.7).

Falar sobre santidade parece falar sobre um assunto indigesto, algo fora de moda. A santidade na vida das pessoas parece estar em declínio. Muitos chamados cristãos têm se tornado tolerantes com o pecado e indiferentes à necessidade de Santidade. Acredito que por isso muitos casamentos têm acabado, muitos filhos não querem ir à igreja, a sociedade está desestruturada, há muitos dependentes de álcool, drogas, etc. Falar sobre santidade pode parecer antiquado, mas este assunto é mais urgente do que qualquer outro. Não buscar a santidade é rejeitar a Deus. O autor de Hebreus diz: “Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos; sem santidade ninguém verá o Senhor” (Hb 12.4).
Dilma Pereira Pani escreveu um belo poema sobre este assunto que diz: “Se a vida te parece tão vazia, e já não tens alegria, nem vigor; se a esperança já não tem sentido, santifique-se hoje ao Senhor! Se teus momentos raros de alegria são tão fugazes, ínfimos, sem cor, se já não sentes o prazer da vida, santifique-se hoje ao Senhor! Se em tuas noites tristes, sós e frias, já não sentes o aconchego, nem calor, se não tens a Jesus por companhia, santifique-se hoje ao Senhor! Se ao abrires a tua velha Bíblia, não encontrares palavras de amor, se ela não lhe traz paz, nem conforto, santifique-se hoje ao Senhor! Se ao dobrares os joelhos fracos, na oração não encontrares o fervor, se ao teu coração Deus já não fala, santifique-se hoje ao Senhor! Se sentes tua fé enfraquecida, não tendo gozo e alegria no louvor, se a comunhão dos irmãos não é sentida, santifique-se hoje ao Senhor! Se o tempo rapidamente vai voando, e te preocupas em encontrar o Salvador; não deixes pra depois: é importante, santifique-se hoje ao Senhor!
Sem santidade, a paz com Deus dá lugar à expectativa da ira. Jesus morreu para que nosso pecado fosse perdoado, para vivermos em liberdade, em santidade.

Hoje, santifique-se ao Senhor.