segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Buscai o reino

Mateus 6.31-34

Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas (Mt 6.33).

Muitas vezes buscamos as demais coisas primeiro e então, se sobrar um tempo e energia, buscamos o reino de Deus. Fazendo isso você nunca ficará contente com as coisas que você tem, e, ao mesmo tempo, você se afastará do reino. Isso vale a pena? Não é tempo de despertarmos? 
A sempre presente preocupação - o que comer, o que beber, o que vestir - é chamada de “todas essas coisas” e representa aquilo que nos mantém distraídos no dia a dia. De tão distraídos esquecemos de abastecer nosso coração com boas coisas. Alimentamos e vestimos o corpo e deixamos nossa alma nua passando fome. Esta é a origem de uma vida ansiosa e vazia. 
Interessante é que Jesus não disse que não podemos pensar e desfrutar as demais coisas. O que é dito é que estas coisas serão acrescentadas naturalmente àqueles que dão prioridade ao reino de Deus. 
Buscar o reino de Deus é se ocupar com o que é eterno. É dar prioridade ao governo de Deus em nossa vida e propagar este reino a outras pessoas. 
Buscar o reino de Deus na terra é uma preparação para a eternidade com Deus nos céus. John Stott disse: “buscar primeiro o reino” inclui o desejo e a oração por sua consumação no fim dos tempos, quando todos os inimigos do reino forem colocados sob os seus pés e o seu reino for incontestável”. É buscar em Deus o discernimento para distinguir a real necessidade de cada uma de nossas decisões. Como disse Paulo:“Assim, fixamos os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno” (2Co 4.18).
Não podemos viver por impulsos, controlados por desejos. Nossa ambição não pode ser acumular tesouros e sim buscar o reino de Deus e sua justiça. A busca pelo reino de Deus fortalece nossa fé. Por isso não andamos ansiosos como aqueles que não conhecem a Deus. Nossa fé nos faz acreditar que o Deus que sustenta as aves e flores não vai abandonar seus filhos. 

Qual é sua prioridade – o reino de Deus ou as coisas deste mundo? 




domingo, 19 de agosto de 2018

Acertar, sorte ou talento?

Eclesiastes 9.11-12

Lancem sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês (1Pe 5.7).

Conta a história que um rei mandou fazer um anel com uma pedra preciosa. Depois ordenou aos soldados que colocassem o anel no alto de um enorme poste de madeira, e convocou a população:
— Quem conseguir atirar uma flecha que passe pelo centro do anel o receberá de presente com mais cem moedas de ouro.
Quatrocentas pessoas ofereceram-se para atirar suas flechas. Todas o fizeram. E todas erraram. Perto dali, um jovem brincava com seu arco, quando uma das flechas atiradas por ele foi desviada pelo vento, aproximou-se do poste e atravessou o centro do anel. O rei premiou o rapaz com a joia e as moedas de ouro. Assim que saiu do palácio, a primeira coisa que o jovem fez foi queimar seu arco e suas flechas.
— Por que está fazendo isso? — perguntou um passante.
— Um homem deve entender que às vezes a sorte bate à sua porta, mas jamais deixar que ela o engane e termine convencendo-o de que ele tem talento.
Muitas conquistas em nossa vida estão relacionadas ao nosso trabalho e dedicação, mas algumas vezes acertamos flechas mesmo sem mirar no alvo. Muitas vitórias que temos no decorrer da nossa história são como flechas desviadas pelo vento. Somos presenteados com surpresas do acaso, com brindes da graça, mimos do amor de Deus. É fato que existe trabalho sem recompensa e recompensa sem trabalho. Mas não compete a nós querer entender, muito menos julgar a Deus. Devemos sim, sempre em tudo dar graças. Não devemos ficar parados esperando pela sorte. Precisamos desenvolver nossos talentos, fazer a nossa parte, plantar nossa semente sabendo que só Deus poderá dar o crescimento. Quando fazemos a nossa parte aprendemos a ter humildade para reconhecer que muito do que temos não é por mérito próprio e também não nos sentimos culpados quando não acertamos o alvo, mesmo fazendo o melhor que pudemos. Aprendemos a descansar e entregar nosso futuro a Deus.

Deus conhece o tempo e a medida certa de cada coisa.