sábado, 20 de outubro de 2018

Tempo

Efésios 5.15-21

Em Deus nos gloriamos o tempo todo, e louvaremos o teu nome para sempre (Sl 44.8).

Em um comercial de fim de ano do banco Itaú chamado “Eu Sou o Tempo”, Fernanda Montenegro interpreta o próprio “Tempo”, que vem pessoalmente dar um conselho para todos: aproveitar as maravilhas do mundo digital para viver mais e melhor cada momento e não pensar e correr tanto. Realmente, a evolução digital, com a possibilidade de resolver assuntos bancários pelo computador e celular como pagar contas, transferir dinheiro, etc, nos faz economizar bastante tempo. 
O texto do comercial foi escrito por Everton Behenck e Nizan Guanaes. É muito bonito e tem uma interessante conclusão: “O segredo do tempo não está nas horas que passam. Está nos momentos que ficam. Porque são eles que vão contar a sua história”. Não podemos parar o tempo, mas o que fazemos, deixam marcas no tempo. Decisões e ações importantes que irão fazer parte de nossa história. 
Alguns vivem desperdiçando tempo, ocupando-o com distrações vazias, ou apenas ficam parados olhando para o tempo. Preferem ver a banda passar do que tocar na banda. Falta ação, emoção, alegria para agir no tempo. Outros vivem ocupados, com agenda cheia. Envolvidos em muitas atividades, correm de um lado para o outro, mas parece que não chegam a lugar nenhum.  
É preciso ter equilíbrio para melhor usar o tempo. Equilíbrio entre o tempo gasto com coisas e pessoas, com o descanso e o trabalho, consigo mesmo e com os outros. É preciso dar prioridade para o que é mais importante. Utilizar o tempo com o que é edificante e não com o que é fútil. 
O segredo do tempo está nos momentos que ficam. E só existe uma forma para que estes momentos que ficam sejam bons. É vive-los buscando entender a vontade de Deus. Ser bom administrador do tempo inclui compreender e fazer a vontade de Deus. Efésios 5.17 (NTLH) diz: “Não ajam como pessoas sem juízo, mas procure entender o que o Senhor quer que vocês façam”.

No tempo, deixe marcas de conquistas e não borrões de más ações. 

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Tempo curto

1Coríntios 7.29-31

Enquanto é dia, precisamos realizar a obra daquele que me enviou. A noite se aproxima, quando ninguém pode trabalhar (Jo 9.4).

Paulo diz em nosso texto base: “O tempo é curto... a forma presente deste mundo está passando”. Parece que nem sempre nos comportamos como pessoas conscientes desta realidade. A recomendação bíblica é que devemos remir o tempo, aproveitar as oportunidades. “Esta sensação permanente do valor do tempo presente contínuo é marca daquele que conhece a Deus” (Joaquim Rodrigues Gonçalves). Saber dar valor ao tempo é entender que a vida não é só casar, comprar e usar as coisas deste mundo, muito menos usar o tempo para fazer o que é mau. Pedro diz: “no tempo que lhe resta, não viva mais para satisfazer os maus desejos humanos, mas sim para fazer a vontade de Deus” (1Pe 4.2).
Nosso tempo é um bem muito precioso e não pode ser desperdiçado. Miguel Rizzo Jr. disse: “O itinerário da existência não admite parada e muito menos retrocesso. A frase muito usada: recuperar o tempo é absurda. Jamais se recupera o tempo. O tempo de nossa vida deve revelar uma continuidade de ação no remir o tempo, “pondo a alma no serviço”, em favor do que precisa ser feito”. 
Não devemos cansar de fazer o bem (Gl 6.9). Devemos nos apegar até ao fim aos princípios que recebemos por intermédio da palavra e usar o tempo com sabedoria. “Vede prudentemente como andais” (Ef 5.15). Devemos ser dedicados em tudo que fizermos, fazer tudo de coração, não rejeitando o chamado de Deus. “Se hoje vocês ouvirem a sua voz, não endureçam o coração, como na rebelião” (Hb 13.15).
Embora todos nós tenhamos a mesma quantidade de horas por dia para viver, o que vai nos diferenciar é como utilizamos o nosso tempo. O tempo é curto para todos nós, mas pode se multiplicar em paz e alegria quando vivemos cada minuto na presença de Deus. “…encorajem-se uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama “hoje”, de modo que nenhum de vocês seja endurecido pelo engano do pecado” (Hb 3.13). 

Que possamos consagrar nossos dias ao Senhor. 

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Os temores

2Crônicas 20.1-4

Espere no Senhor. Seja forte! Coragem! Espere no Senhor (Sl 27.14).

Os psicólogos, por meio de testes de laboratório, verificaram que por ocasião do nascimento, dois temores já se encontram presentes: o medo de barulho forte e o medo de cair. Isso é só o começo. No decorrer de nosso dias, vamos acumulando medos. Muitos deles infundados, outros com muita razão de existir. Mas para quem está com medo isso não importa. Existe medo de trovão e relâmpago, do escuro, de pessoas, da vida e da morte. Há pessoas que têm medo de barata, de atender telefone, de andar na rua, andar de automóvel, de avião. A lista seria interminável! Existem muitos tipos de medo que poderíamos acrescentar aqui. 
Não sei o que assombra os seus dias. Seja o que for, temos da parte de Deus esperança contra o medo. Quando o rei Josafá recebeu a notícia de que seria atacado por muitos exércitos, teve medo. O texto diz: “Então, Josafá teve medo e se pôs a buscar ao SENHOR; e apregoou jejum em todo o Judá” (2Cr 20.3). Juntamente com Josafá, todo povo clamou pela ajuda de Deus. “Judá se congregou para pedir socorro ao SENHOR; também de todas as cidades de Judá veio gente para buscar ao SENHOR” (2Cr 20.40).
O medo pode ser um inimigo perigoso. Ele gera desapontamento, pânico, tristeza e decepção. Mas, com o socorro de Deus, podemos vencer qualquer tipo de medo. Deus nos ajuda a vencer os temores imaginários. Deus nos faz enxergar e nos livra dos falsos medos, os nossos medos que são infundados. Também em Deus somos fortalecidos para vencer as mais terríveis batalhas. Ele nos dá coragem e força para lutar. Quando não podemos lutar, ele vence nossos inimigos. Deus nos leva até a rocha que é alta demais para escalarmos sozinhos. 
Na presença de Deus podemos dizer como o salmista. “Deito-me e pego no sono; acordo, porque o SENHOR me sustenta. Não tenho medo de milhares do povo que tomam posição contra mim de todos os lados” (Sl 3.5-6). 

Deus é a nossa rocha de refúgio, é o nosso socorro. 

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Sofrimento e purificação

Jeremias 31.16-18

Muitos serão purificados, alvejados e refinados, mas os ímpios continuarão ímpios. Nenhum dos ímpios levará isto em consideração, mas os sábios sim (Dn 12.10).

Às vezes, diante da dor, das adversidades, podemos pensar que Deus não se importa conosco. Somos tentados a aceitar a ideia de que Deus nos abandonou. Mas, para o cristão, o sofrimento é a maior prova do amor de Deus, pois através dele é que somos purificados realmente. No sofrimento, somos provados e fortalecidos. “Deus nos aflige, não para nos perder ou destruir, mas para nos livrar da condenação deste mundo” (João Calvino). É confiando no santo propósito de Deus que podemos resistir firmes e suportar o sofrimento. 
Daniel recebeu uma grande revelação de Deus que afirmava que viria um tempo de grande sofrimento. Este tempo seria para a purificação dos santos, enquanto que nada mudaria para os ímpios. Diz o texto: “os ímpios continuarão ímpios”. Calvino afirma que este texto demonstra a necessidade de uma purificação constante: “Enquanto estiverem na carne, assim como as vestes que são usadas diariamente têm a necessidade de ser lavadas continuamente, os fiéis têm a necessidade de purificação”.  
Mas, e se nós já somos lavados e purificados pelo sangue de Jesus? Qual a necessidade do sofrimento? O pastor Felipe Rodrigues Costa responde esta pergunta dizendo: “O sangue de Jesus tem em vista o cancelamento dos nossos pecados para que não mais sejamos julgados e condenados. O sofrimento, por outro lado, tem a função de purificar aqueles que já são salvos, ou seja, os crentes em Jesus, e que ainda precisam ser purificados da corrupção do pecado que ainda está em nossa vida terrena”.
O sofrimento quebra nossa resistência oposta a Deus. “O pecador entra contritamente em si mesmo e reconhece a sua culpa. É precisamente em meio ao mais amargo sofrimento que surge o desejo de comunhão com Deus” (Josef Scharbert).

O sofrimento purifica a piedade e é caminho de cura.

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Oração Essencial

Mateus 6.5-8

Quando a minha vida já se apagava, eu me lembrei de ti, Senhor, e a minha oração subiu a ti, ao teu santo templo (Jn 2.7).

Da mesma forma que precisamos comer, beber, dormir e assim cuidar de nosso corpo, nossa alma precisa da oração para sobreviver. Nutrir a alma é muito importante. Mas é fácil esquecer disso. Assim disse o Senhor Jesus: “Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai” (Mateus 6.6). William Teixeira comenta este versículo diz: “Aqui, o Senhor não especulou a respeito da possibilidade dos seus seguidores orarem em secreto ou não, ele não diz ‘se talvez orares’, ‘se quiseres orar’, ‘se tiveres tempo para orar’, não, o Senhor diz: ‘quando orares’, a oração secreta e constante na vida dos verdadeiros seguidores de Cristo não é uma possibilidade, é uma certeza plena. Jesus sabia muito bem que os Seus orariam”. Não existe vida com Deus sem oração. Ninguém cogita alguém sobrevivendo sem comer, dormir ou respirar. Como podemos imaginar que alguém possa sobreviver como Cristão sem orar? 
“A oração particular é o teste de nossa sinceridade, o indicador de nossa espiritualidade, o principal meio de crescimento na graça. A oração particular é a única coisa, acima de todas as demais, que Satanás busca impedir, pois ele bem sabe que se ele puder ser bem sucedido neste ponto, o Cristão falhará em todos os outros” (PINK, A. W., Oração Particular). 
A oração é urgente. É um exercício que deve ser constante em nossa vida. Como definiu John Bunyan: “A oração é o derramar, de modo sincero, consciente e amoroso, o coração ou a alma diante de Deus, por meio de Cristo, no poder e ajuda do Espírito Santo, buscando as coisas que Deus prometeu, ou que estão em conformidade com a Sua Palavra, para o bem da igreja, com fiel submissão à Sua vontade”. 
Que além do estudo da Bíblia nos dediquemos ao ministério da oração. Assim estaremos fortalecidos para praticar o que aprendemos na Palavra de Deus. 

Orar é para alma o que a respiração é para o corpo. 

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Carregando pedras

Salmo 81.6-10

O temor do Senhor conduz à vida: quem o teme pode descansar em paz, livre de problemas (Pv 19.23).

Um mestre e seu discípulo conversavam quando perceberam cinco formigas que carregavam uma aranha morta para o alto de uma árvore. A aranha devia pesar vinte vezes mais. As formigas, porém, não pareciam dispostas a desistir. Após vários minutos de vagarosa e cuidadosa marcha, quando a poucos centímetros do destino, deixaram a aranha cair. Em vez de seguirem caminho, contudo, voltaram e retomaram a missão, no mesmo ritmo lento, esforçando-se para carregá-la novamente ao alto. Desta vez, obtiveram sucesso. O mestre então perguntou a seu discípulo: — Que lição vê nestas formigas? O rapaz respondeu: — Vejo que, pela união de suas forças, conseguiram atingir um objetivo que jamais conseguiriam sozinhas. — Já eu noto outra lição — disse o mestre. — Quantas vezes na vida estamos perto de alcançar um objetivo, mas falhamos? Porém, com frequência nos falta a humildade, que sobra nestas formigas, de começar do zero e traçar o caminho de novo. E então desistimos. 
Existem problemas que enfrentamos bravamente e por muito tempo conseguimos vencê-los. Como aquelas formigas, suportamos adversidades maiores do que nós mesmos. Com a ajuda de outras pessoas, seguindo bons conselhos, seguimos nossa caminhada com Deus. Mas a situação fica bem mais difícil quando, depois de muito lutar e caminhar, caímos e parece que voltamos ao início da caminhada. É nestas horas que pensamos em desistir. Como disse o mestre da nossa ilustração, falta humildade e coragem para recomeçar. Nos falta determinação e vontade. Os obstáculos sempre existirão. Mesmo que tenhamos de recomeçar várias vezes não devemos ficar parados, desistir. Deus nos fortalece no caminho e também estende sua mão para nos levantar quando caímos. A linha de chegada está mais próxima do que podemos imaginar. Somos vencedores! Em Cristo Jesus, mais que vencedores. 

Chegaremos no final com Deus, graças a Deus. 


domingo, 14 de outubro de 2018

Oração de um justo

1Reis 18.41-45

Então vocês clamarão a mim, virão orar a mim, e eu os ouvirei (Jr 29.12).

Depois de três anos e meio que Elias havia dito a Acabe que não iria chover, agora ele diz que vai chover: “Já ouço barulho de chuva pesada” (1Rs 17.41b). Esta palavra do profeta indicava que o tempo de ansiedade e fome estava chegando ao fim. Elias demostra grande confiança nas promessas de Deus. Depois de tanto tempo sem chuva, ele vai até Acabe dizendo que ouvia barulho de chuva pesada quando ainda não havia chovido. Depois que ele ora pedindo chuva, fala para seu servo olhar na direção do mar para ver se havia algum sinal de chuva. Quando seu servo disse que não havia nada lá, ele manda olhar novamente. Somente na sétima vez seu servo disse ver uma nuvem pequena. Se sem algum sinal, ele já havia dito estar ouvindo barulho de chuva, agora, vendo uma pequena nuvem, já manda avisar que Acabe deveria se apressar, porque a chuva poderia impedi-lo de seguir viagem. Acabe, instruído por Elias, tomou o caminho de Jezreel. Elias, fortalecido pelo Senhor, conseguiu correr vinte e sete quilômetros até o palácio de verão de Acabe em Jezreel e chegou a essa cidade antes de Acabe. 
Sua confiança estava no que Deus lhe havia dito. “Vá apresentar-se a Acabe, pois enviarei chuva sobre a terra” (1Rs 18.1). Ele também pode ter sido fortalecido pela experiência anterior. Ele já havia profetizado o contrário, “não cairá orvalho nem chuva nos anos seguintes, exceto mediante a minha palavra” (1Rs 17.1), e tudo ocorreu como ele havia dito. Realmente não choveu por três anos e meio. Tiago usa esta história para falar que a oração de um justo é poderosa e eficaz. Ele ressalta que Elias era “como um de nós” (Tg 5.17). Mesmo diante de grande dificuldade devemos orar. Após orar e ver a promessa de Deus se cumprir, Elias foi fortalecido com o poder do Senhor. Ver as promessas de Deus se cumprindo gera em nós grande entusiasmo e alegria. 

Não reclame, clame.

sábado, 13 de outubro de 2018

Conhecer e confiar

Isaías 26.1-4

O Senhor é a minha força e o meu escudo; nele o meu coração confia, e dele recebo ajuda. Meu coração exulta de alegria, e com o meu cântico lhe darei graças (Sl 28.7).

Algo difícil para todos nós é confiar e descansar o coração em Deus. A Bíblia nos convida a confiar no Senhor. Ela nos convida a crer que Deus está no centro de tudo, ele cuida e controla cada detalhe da história da nossa vida! 
Para que possamos confiar mais em Deus devemos fazer o que o salmista nos aconselha no Salmo 37.3 (RA): “Confia no SENHOR e faze o bem; habita na terra e alimenta-te da verdade”. Não confiamos mais em Deus, pois nos falta dedicação em conhecê-lo. Quanto mais nos dispomos a fazer o que é bom e nos alimentamos da verdade, mais nos aproximamos de Deus e mais confiamos nele.
O Rev. Luiz Henrique, falando sobre este versículo, disse: “Duas coisas são essenciais. Confiança total e absoluta em Deus e alimentação saudável e constante para manter a confiança. Muitas vezes nossa confiança em Deus se torna mais tênue devido à falta de alimento sólido da verdade. Quanto menos conhecemos alguém, menos confiamos; quando o conhecimento se aprofunda e há uma relação de intimidade mais estreita, maior será a confiança. Então o segredo para confiar suas lutas, dificuldades, dúvidas com respeito ao futuro, suas emoções e sentimentos, seus sonhos e objetivos estará sempre ligado ao grau de conhecimento que você tem de Deus e o grau desse conhecimento se dará pelo alimento saudável que você ingere”. 
É preciso buscar este conhecimento de Deus. Toda insegurança que temos está relacionada ao distanciamento dele. Todo nosso medo é causado pela falta de comunhão com Deus. Nossas decisões erradas, pecados estão ligados a ações independentes, realizadas por orgulho. Confie no Senhor, aproxime-se dele. Ele é fiel, digno de toda honra e confiança. Bendito seja o Senhor, Deus, nosso Salvador, que cada dia suporta as nossas cargas (Salmo 68.19).

O Senhor nos guia por caminhos tranquilos.

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Temor de Deus

Provérbios 1.1-7

Temam o Senhor, vocês que são os seus santos, pois nada falta aos que o temem (Sl 34.9).

A Bíblia define o temor de Deus de modo bem específico. O temor de Deus é o ódio ao pecado. Provérbios 8.13 diz: “Temer o SENHOR é odiar o mal”. É aborrecer o mal, lutar contra o que é mal. Ter o temor do Senhor significa simplesmente amar a Deus, de tal maneira que a pessoa odeie tudo o que ele odeia. É estarmos tão perto do Senhor, tão afinados com o caráter divino, que amamos o que ele ama e detestamos o que ele detesta. Temer a Deus é ter muito desejo de agradá-lo. Temor também pode ser definido como um “sentimento de profundo respeito e obediência” (Dicionário Houaiss). E ninguém, além de Deus, poderia merecer nosso respeito, reverência e obediência. 
Nada melhor do que ler o que a Bíblia diz sabiamente sobre isto. Destaco aqui quatro versículos importantes. “O temor do SENHOR é o princípio do saber, mas os loucos desprezam a sabedoria e o ensino” (Provérbios 1.7). “O temor do SENHOR prolonga os dias da vida, mas os anos dos perversos serão abreviados” (Provérbios 10.27). “O temor do SENHOR é fonte de vida para evitar os laços da morte” (Provérbios 14.27). “Feliz o homem constante no temor de Deus; mas o que endurece o coração cairá no mal” (Provérbios 28.14).
Podemos ver claramente que quem rejeita o temor está no caminho da perdição. Mas quem busca o temor do Senhor, encontra o caminho da sabedoria, encontra proteção, provisão e felicidade. Muitas são as armadilhas que querem nos desviar do caminho de Deus. Muitas tentações querem nos fazer desistir da verdade. Qual o caminho iremos escolher? Precisamos dormir e acordar conscientes de que ter uma vida temente a Deus é a coisa mais importante que existe. Temer a Deus não permite pausas. Que estejamos firmes no caminho da felicidade, do amor a Deus e abandono do pecado. Os santos de Deus, os chamados por Deus, separados para Deus irão seguir no caminho do temor, no caminho da vida. 

É sábio temer a Deus. 


quinta-feira, 11 de outubro de 2018

O Tapeceiro

Salmo 90.13-17

Esteja sobre nós a bondade do nosso Deus Soberano. Consolida, para nós, a obra de nossas mãos; consolida a obra de nossas mãos! (Sl 90.17).

Você conhece a música “O Tapeceiro” de Stênio Marcius? Ela tem uma letra muito inspiradora que diz: “Tapeceiro grande artista vai fazendo o seu trabalho incansável, paciente no seu tear. Tapeceiro não se engana sabe o fim desde o começo. Trança voltas, mil desvios sem perder o fio. Minha vida é obra de tapeçaria. É tecida de cores alegres e vivas. Que fazem contraste no meio das cores nubladas e tristes. Se você olha do avesso nem imagina o desfecho. No fim das contas tudo se explica. Tudo se encaixa. Tudo coopera pro meu bem. Quando se vê pelo lado certo. Muda-se logo a expressão do rosto. Obra de arte pra honra e glória do Tapeceiro. Quando se vê pelo lado certo todas as cores da minha vida dignificam a Jesus Cristo o Tapeceiro”. 
Em muitos caminhos e momentos da vida ficamos confusos. Será que vai dar certo? Como manter a esperança neste emaranhado de cores, às vezes alegres outras tristes? Como saber se estamos no caminho depois de tantas idas e vindas? “A ignorância humana tende a escurecer a visão dos planos divinos” (Autor desconhecido). Ficamos muitas vezes desanimados, nos sentimos perdidos. Mas devemos confiar nos cuidados de Deus. Nossa segurança não vem do controle que temos de nós mesmos, mas da fé que nos faz enxergar o que ainda não existe, esperar o inesperável, crer naquilo que é difícil de se concretizar. A esperança retorna e a confiança se solidifica quando lembramos que o tapeceiro é Deus, o criador do universo. Tudo se explica quando Deus nos mostra o lado certo. No lugar do avesso, podemos ver a obra perfeita que está se formando. Ao lado da sabedoria, vamos compreendendo o propósito de Deus em cada momento. Teremos convicção de que nossa vida é uma obra de arte. Que não estamos a bordo de um trem desgovernado, mas de mãos dadas com o Pai amoroso que nos conduz e nos protege dos perigos.

Andemos na luz. Na presença de Deus está a luz.