quarta-feira, 10 de julho de 2019

Consolo que consola


Leitura Bíblica: 2 Coríntios 1.3-6

Porque, tendo em vista o que ele mesmo sofreu quando tentado, ele é capaz de socorrer aqueles que também estão sendo tentados (Hb 2.18).

Para ajudar sua equipe de jovens arquitetos a entender as necessidades daqueles para quem eles projetam habitação, David Dillard os faz passar 24 horas num centro de idosos, nas mesmas condições das pessoas acima de 80 anos. Eles usam tampões de ouvido para simular perda auditiva, unem os dedos com fita adesiva para limitar a destreza manual e trocam de óculos para replicar problemas de visão. Dillard diz: “O maior benefício é que ao enviar jovens de 27 anos, eles voltam com um coração dez vezes maior. Eles conhecem as pessoas e compreendem seus problemas” (Rodney Brooks, USA Today).
David C. McCasland faz uma comparação da ação dos arquitetos com o que Jesus fez por nós. Ele diz: “Jesus viveu neste mundo durante 33 anos e partilhou de nossa condição humana. Ele foi feito como nós, ‘…semelhante aos irmãos…’ (Hebreus 2.17), então sabe como é viver num corpo humano nesta terra. Ele entende as lutas que enfrentamos e nos compreende e encoraja. ‘Porque, naquilo que ele mesmo [Jesus] sofreu, tendo sido tentado, é poderoso para socorrer os que são tentados’ (v.18). Por meio da Sua morte, Jesus rompeu o poder de Satanás e nos libertou do nosso medo da morte (v.14-15). Em todas as tentações, Jesus caminha ao nosso lado para nos dar coragem, força e esperança ao longo do caminho”.
Além desta aplicação sobre Jesus compreender a nossa dor e nos consolar, podemos aprender com estes jovens arquitetos sobre o compreender e consolar os problemas dos outros. 2Coríntios 1.4 diz: “É ele que nos conforta em toda a nossa tribulação, para podermos consolar os que estiverem em qualquer angústia, com a consolação com que nós mesmos somos contemplados por Deus”. Deus nos livra das dificuldades e assim podemos ajudar outras pessoas mostrando para elas o caminho do livramento que tivemos. 

Consolai-vos uns aos outros. 

terça-feira, 9 de julho de 2019

Está cansado?


Leitura Bíblica: Salmo 62.5-8

Ele fortalece o cansado e dá grande vigor ao que está sem forças (Is 40.29).

Acho que uma das principais reclamações que ouvimos e falamos é: Estou cansado! O Rev. Elben César faz uma pequena lista dessas nossas canseiras. Ele disse: “Estamos cansados. Cansados de ouvir os reclamos da carne. Cansados de tomar cuidado conosco mesmos e com a doutrina. Cansados de semear muito e colher pouco. Cansados de nos precaver da inveja, da competição, do ódio, da vingança, das altercações sem fim, do rancor, da soberba. Cansados de ver casamentos desfeitos, crianças infelizes, adolescentes grávidas e jovens dependentes de droga. Cansados da violência urbana, das guerras e dos rumores de guerra. Cansados da injustiça social, da fome, da doença e da morte. Cansados de chorar e de ver os outros chorarem”.
Encontramos muitos Salmos em que os salmistas expressam ou lamentam seu cansaço. Não há nada de errado em se cansar e até em determinados momentos dizer que está cansado. É importante saber que depois do cansaço não vem a falência. Quem está cansado precisa descansar. Para todo cansaço existe um descanso. Está cansado de ficar em pé, sente. Cansado de ficar acordado, durma. Cansado das discussões, afaste-se delas. E se você está cansado de alguma coisa e acha que não tem como descansar, lembre-se que em Deus podemos encontrar descanso para tudo. Em Deus podemos descansar de qualquer coisa. Da mesma forma que encontramos os salmistas lamentando, podemos vê-los afirmando que no Senhor encontraram descanso. Está cansado? Busque descanso em Deus. O Salmo 37.7a diz: “Descanse no Senhor e aguarde por ele com paciência”. É interessante que o descansar em Deus nem sempre trará alívio imediato. Descanse e aguarde. O alívio pode não ser instantâneo, mas é certo que ele virá. Como disse Eliú a Jó: “Ainda que dizes que não o vês, a tua causa está diante dele; por isso, espera nele” (Jó 35.14).

Está cansado? não desista, descanse. 

segunda-feira, 8 de julho de 2019

Desentendimentos


Leitura Bíblica: Filipenses 2.1-4

Não procurem vingança, nem guardem rancor contra alguém do seu povo, mas ame cada um o seu próximo como a si mesmo. Eu sou o Senhor (Lv 19.18).

Temos uma capacidade incrível de achar que estamos certos. Errado é sempre o outro. Temos que tomar cuidado com isso. Mesmo se estivéssemos sempre certos, em muitas situações devemos acolher a ideia de outras pessoas que também podem realizar a mesma coisa de maneira diferente. Um exemplo interessante disto é a história que conta que certa vez uma comunidade ganhou um vaso e, juntamente com o vaso, um problema: onde colocar o vaso. Todos se dividiram, cada um queria colocar o vaso em um lugar diferente. Não chegavam a uma conclusão quando o líder que já estava muito bravo se levantou, foi até o vaso e o partiu em pedaços. Deu um pedaço para cada um e disse que podiam colocar onde achassem melhor. 
Muitas vezes nos desgastamos desnecessariamente. Discutimos por coisas sem maior importância. Isso porque temos um espírito de competição. Queremos ganhar, decidir, presidir, controlar as coisas. Mas não vale a pena ganhar através das discussões, dos gritos. Filipenses 2.4 diz que nossa postura deve ser diferente: “Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu, senão também cada qual o que é dos outros”. Pensar assim só é possível quando, mais do que reunidos, estamos unidos. Quando eu coloco o amor primeiro, quando mais importante do que o que eu penso é a consideração que tenho pelo meu irmão. Pensamos em somar, acrescentar o que pensamos com o que os outros pensam. Entendemos que nosso propósito é único. Agimos conforme a exortação de Paulo: “penseis a mesma coisa, tenhais o mesmo amor, sejais unidos de alma, tendo o mesmo sentimento” (Fp 2.2). Paulo diz que os filipenses, agindo assim, iriam completar a sua alegria. E comunhão realmente produz alegria. Demostra o conhecimento de Cristo e a maturidade que ele produz. “Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos!” (Sl 133.1). 

O amor é sempre o melhor caminho.

domingo, 7 de julho de 2019

Salvação, a base da gratidão


Leitura Bíblica: Colossenses 3.15-17

Fiel é Deus, o qual os chamou à comunhão com seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor (1Co 1.9).

Gratidão é essencial na vida. Tudo que somos e temos vem de Deus. A vida é um presente e devemos ser agradecidos. A base de nossa gratidão é a salvação. Nossa maior gratidão é pela paz que temos através da salvação que recebemos. Colossenses 3.15 fala sobre a paz de Cristo. Paz que nos proporciona viver em estado de descanso. Temos paz com Deus, pois sabemos que os nossos pecados foram perdoados. Caminhamos na certeza de que nada poderá nos separar de Cristo. Pela salvação, a paz de Deus governa nosso coração. Porque nós somos chamados das trevas, do pecado, da morte para a vida somos agradecidos. “Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração, à qual, também, fostes chamados em um só corpo; e sede agradecidos” (Cl 3.15b). O versículo termina dizendo: “E sede agradecidos”. Agradecidos por esta paz. Quando a paz de Cristo ocupar o centro de nossa vida, naturalmente seremos agradecidos. Quem contempla os benefícios de Deus não vive a murmurar. Consegue perdoar seu próximo e se alegra mesmo diante das adversidades. 
A base desta paz é a Palavra de Deus. Não vivemos uma paz subjetiva. “Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo” (Cl 3.16a). Também não vivemos uma paz individualista, o texto continua dizendo que devemos aconselhar uns aos outros. Esta paz é propagada através dos conselhos, conversas. É também desfrutada em comunhão com os irmãos: “louvando a Deus, com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão, em vosso coração” (Cl 3.16b).
Tendo a paz de Cristo como árbitro, como guia, nosso coração fica repleto de alegria e gratidão. Assim sabemos que nossa tribulação nunca será maior do que o consolo que Deus já nos deu. Nossas ações e decisões estarão firmes. Sempre conscientes que devemos fazer tudo em nome de Jesus, reconhecendo a sua autoridade sobre a nossa vida. Ações em harmonia com a vontade de Deus, dando sempre graças a ele. 

A paz de Cristo promove a gratidão.

sábado, 6 de julho de 2019

Mais do que pedimos


Leitura Bíblica: Efésios 3.14-21

Pois os meus pensamentos não são os pensamentos de vocês, nem os seus caminhos são os meus caminhos, declara o Senhor (Is 55.8).

Haviam três árvores em uma colina no bosque. Elas estavam discutindo suas esperanças e sonhos quando a primeira árvore disse: Algum dia eu espero ser um cofre de tesouro. Então a segunda árvore disse: Algum dia serei um poderoso navio. Finalmente, a terceira árvore disse: Eu quero crescer para ser a árvore mais alta e mais reta na floresta. Depois de alguns anos pedindo a Deus pelos seus sonhos, um grupo de madeireiros chegou àquele bosque. A primeira árvore foi levada a um carpinteiro, ele fez dela uma caixa de alimentação para animais. Ela foi então colocada em um celeiro e encheram-na de feno. A segunda árvore foi cortada e transformada em um pequeno barco de pesca. A terceira árvore foi cortada em pedaços grandes e deixada sozinha no escuro.
Os anos se passaram e as árvores decepcionadas esqueceram seus sonhos. Então um dia, um homem e uma mulher vieram ao celeiro. Ela deu à luz e eles colocaram o bebê no feno, na caixa de alimentação que foi feita a partir da primeira árvore. Anos mais tarde, um grupo de homens entrou no barco de pesca feito a partir da segunda árvore. Um deles estava cansado e adormeceu. Enquanto eles estavam na água, uma grande tempestade surgiu e a árvore não achou que fosse forte o suficiente para manter os homens seguros. Eles acordaram o homem adormecido, ele se levantou e disse: “Paz” e a tempestade parou. Finalmente, alguém veio e pegou a terceira árvore. Levaram-na pelas ruas, enquanto o povo zombava do homem que a carregava. Quando eles pararam, o homem foi pregado na árvore e levantado no ar para morrer no topo de uma colina. 
Muitas vezes parece que nossas orações não são ouvidas e respondidas. Estas árvores conseguiram o que queriam. Não aconteceu do jeito que imaginavam, mas foi muito melhor do que podiam imaginar, elas serviram a Jesus. Assim acontece conosco. 

Deus sabe o que faz. 

sexta-feira, 5 de julho de 2019

Muito valor


Leitura Bíblica: João 15.15-17

Somente temam o Senhor e sirvam-no fielmente de todo o coração; e considerem as grandes coisas que ele tem feito por vocês (1Sm 12.24).

No dia da inauguração de uma igreja, o pastor começou a pregar e, de repente, enfiou uma das mãos no bolso, a tirou fechada e a levantou, dizendo às pessoas que estavam ali: Eu tirei do meu bolso algo muito valioso e que está aqui em minha mão. Alguém tem ideia do que é?  - Uma moeda de um real, diz um menino. - Não, é algo muito mais valioso do que uma simples moeda. - Uma nota de cem reais, arriscou um rapaz lá no fundo. - Não, é bem mais valioso do que uma nota de cem reais! Vou dar umas dicas para vocês, diz o pastor. - Aquilo que está aqui em minha mão é algo muito poderoso! Isso é capaz de matar a fome de muitas pessoas, de movimentar a economia de nosso país, gerar empregos e prosperidade na vida das pessoas. Isso pode gerar incontáveis bênçãos se for bem usado. Sabem o que é agora? Um jovem rapaz levanta uma das mãos e diz: - É uma semente! O pregador abre a mão e mostra para sua pequena plateia uma pequena semente de milho e diz: - Esta igreja é como essa semente de milho. Se todos nós cuidarmos dessa semente, investirmos tempo nela, colocarmos os nossos esforços e talentos para fazê-la germinar e crescer, ela irá gerar com o tempo muitos frutos abençoadores capazes de transformar a cada um de nós, este bairro e esta cidade, por isso, plantem essa semente, façam com que ela brote e gere vida!
Como naquela igreja, podemos dizer que somos como sementes nas mãos de Deus. Nossa vida tem muito valor. Somos instrumentos de Deus para levar o evangelho às pessoas. Nossas atitudes podem ajudar o nosso próximo. Nossos frutos podem ser muito úteis. Nossa vida tem muito valor desde que nos dediquemos a realizar a vontade de Deus. Se nos comprometermos com o bem para o qual fomos chamados, embora pequenos como uma semente, podemos realizar grandes coisas. Nosso limite está na vontade de Deus. 

Deus quer que sejamos mais que vencedores. 

quinta-feira, 4 de julho de 2019

Deus onipotente


Leitura Bíblica: Hebreus 2.9-13

Proclamarei o nome do Senhor. Louvem a grandeza do nosso Deus! (Dt 32.2)

Uma das formas de adorar e glorificar a Deus é declarando o que ele é, o que ele representa para nós. Mas é muito difícil descrever o Todo-poderoso Deus, o Onipotente Senhor. O que dizer sobre o Criador do Universo? Agostinho, no livro Confissões, falando sobre isso disse: “Então que és tu, meu Deus? Que és, senão o Senhor Deus? ‘Pois quem é Deus além do SENHOR? E quem é rocha senão o nosso Deus?’ (Sl 18.31). Altíssimo, boníssimo, poderosíssimo, onipotente ao extremo; misericordiosíssimo, mas extremamente justo; misteriosíssimo, mas sempre presente; belíssimo, mas extremamente forte; estável, mas incompreensível; imutável, mas mudando tudo; nunca novo, nunca velho; tudo renovando e envelhecendo os orgulhosos, que não se dão conta disso; sempre atuando, sempre em repouso; sempre acumulando, mas sem precisar de nada; sustentando, enchendo e sempre te espalhando; criando, nutrindo e amadurecendo; buscando, mas tendo tudo”. 
Mesmo não sabendo ao certo o que dizer, o fato importante é que devemos, de coração, louvar ao Senhor. Devemos declarar que Deus é sobre todos, o que existe de mais importante em nossa vida. Sem Deus não existiríamos. Somente por Deus nos movemos e vivemos. Pelo amor de Deus temos o perdão, salvação e vida eterna. 
É preciso lembrar que nossa vida está toda diante de Deus, nada escapa aos seus olhos. Humildemente precisamos viver no temor do Senhor. “Poderá alguém esconder-se sem que eu o veja? pergunta o Senhor. Não sou eu aquele que enche os céus e a terra? pergunta o Senhor” (Jr 23.24). Reconhecer a presença de Deus facilita a nossa adoração a ele. É na presença de Deus que encontramos paz e descanso para as nossas almas. Quanto mais nos aproximamos de Deus, mais fácil fica descrevê-lo. 
Louvemos e adoremos ao nosso Deus por sua grandeza. Esteja em nossos lábios palavras que agradem a Deus. Palavras vindas de um novo coração que ele nos deu. 

Nosso maior propósito e privilégio é glorificar a Deus.  

quarta-feira, 3 de julho de 2019

Oração e confiança


Leitura Bíblica: Atos 12.5-8

Ele respondeu: Se vocês tiverem fé do tamanho de uma semente de mostarda, poderão dizer a esta amoreira: Arranque-se e plante-se no mar, e ela lhes obedecerá (Lc 17.6).

Em Atos 12, encontramos mais uma vez a oposição à igreja. Tiago foi morto e Pedro preso. Mas os planos de Herodes não poderiam prevalecer sobre a vontade e poder de Deus. Pedro estava em uma prisão de segurança máxima (At 12.4), não tinha como sair. Ao mesmo tempo, a igreja orava incessantemente por ele (At 12.5). O texto diz que enquanto Pedro dormia tranquilamente um anjo veio até ele e o libertou. Pedro parece não entender direito o que estava acontecendo até chegar na rua e o anjo desaparecer (At 12.11). Então, já na rua, ele resolve ir até a casa de Maria, mãe de João Marcos, onde estava acontecendo a reunião de oração por ele. Chegando na casa, bateu na porta. As pessoas que estavam orando pensaram que fosse a polícia. A criada chamada Rode foi atender e viu que era Pedro. Sem abrir a porta, voltou correndo feliz para avisar aos outros. Deixou Pedro lá fora sem entrar. Só depois de algum tempo, pela insistência de Pedro em bater é que abriram a porta e viram que era ele. Então ele contou que o Senhor o tirara da prisão. Um fato que nos surpreende está no versículo 15 que diz que eles não acreditaram que era Pedro que estava na porta. Mesmo vendo a alegria dela, permaneceram incrédulos. Disseram a Rode: “Você está fora de si”! Insistindo ela em afirmar que era Pedro, disseram-lhe: “Deve ser o anjo dele”. Sobre isso John Stott disse: “É irônico que o povo que estava orando com fervor e persistência pela libertação de Pedro pudesse considerar louca a pessoa que lhes informava que suas orações haviam sido respondidas”!
Se aqueles irmãos que faziam uma vigília e oravam incessantemente duvidaram, nós também corremos este risco. Muitas vezes oramos, mas na verdade nos falta fé. Precisamos confiar firmemente, é certo que Deus responde as orações. 

Ore mais, confie sempre.

terça-feira, 2 de julho de 2019

Servo de Cristo


Leitura Bíblica: Lucas 17.7-10

Assentando-se, Jesus chamou os Doze e disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, será o último, e servo de todos” (Mc 9.35).

Nosso texto base fala sobre um servo e seu senhor. O servo tinha como função sair bem cedo pelos campos, arar a terra ou cuidar das ovelhas e depois, por volta das quinze horas, voltar para a sede, fazer comida e servir para seu senhor. Depois do trabalho, iria comer e descansar. A pergunta deixada pelo texto é: o servo merece algum tratamento especial por ter feito a sua obrigação? O senhor terá que agradecer o servo por ele ter feito a sua obrigação? O senhor fica obrigado para com o seu servo, quando as suas ordens são cumpridas? A resposta para estas perguntas é não, pois o servo deve trabalhar movido por um senso de dever e lealdade, e não com a esperança de ganhar recompensas. De fato, depois de ter cumprido todas as ordens, ele diz: nada me devem; cumpri apenas o meu dever. 
Paulo se chama escravo de Cristo (Rm 1.1) e nós também devemos assumir uma vida que tenha este nome, servo de Cristo. Estamos acostumados à sabedoria do mundo, da troca de favores, do trabalho que espera recompensas, elogios; acostumados ao materialismo, à ganância de resolver nossos problemas, no desespero de querer mais, receber, ter, ganhar. Queremos sempre receber e fazemos da religião mais uma mentalidade contabilista. Pessoas querem receber curas, bênçãos, dinheiro, saúde. Vão à Igreja para receber bênçãos e não para adorar e servir a Deus. 
Sejamos movidos mais pela nossa responsabilidade do que por interesses. Nem mesmo Jesus se preocupou com seus direitos. Ele morreu na cruz movido por um único interesse, fazer a vontade de Deus. Devemos estar interessados em testemunhar. O servo trabalha para cumprir o seu dever, sabe que nada merece por aquilo que ele é e faz. O que nos move não são interesses, mas o reconhecimento da grandiosidade de Deus e sua graça, as dádivas do Senhor que são feitas imerecida e gratuitamente. 

Amo a Deus e devo servi-lo.

segunda-feira, 1 de julho de 2019

Ser solidão


Leitura Bíblica: Isaías 51.3-5 

Numa terra deserta ele o encontrou, numa região árida e de ventos uivantes. Ele o protegeu e dele cuidou; guardou-o como a menina dos seus olhos (Dt 32.10).

As cidades estão ficando mais populosas e, com os avanços tecnológicos na área da comunicação, cada vez nos relacionamos com mais pessoas. Mesmo assim, o sentimento de solidão tem crescido a cada dia e muitas pessoas sofrem com isso. A solidão não é um problema apenas dos que moram sozinhos ou de pessoas solteiras. A solidão já está na essência do ser humano. O homem é um ser único. Todos nós temos um sentimento de solidão que é normal. Andamos por caminhos e pensamentos únicos e, de tão singulares que somos, será impossível termos supridas todas as nossas carências emocionais. 
O que ocorre é que muitas pessoas transformam essa solidão normal em um estado de isolamento doentio. Começam a abandonar a si mesmas por não conseguirem lidar bem com seus sentimentos, desprezam-se, sentem-se excluídas de grupos e incapazes de fazer amizades. É preciso fugir dessas ideias de auto desprezo. Compartilhar a vida é uma sensação muito boa e compensadora. Precisamos aproveitar o tempo em que temos uma família ao nosso redor para nos achegar e desenvolver um relacionamento profundo e significativo. Não podemos ter medo de fazer amizades e de nos relacionar de forma sadia e amiga. 
Os tempos de solidão vêm e vão. Podemos vencê-los buscando fazer algo por alguém ou alguma atividade que preencha o nosso tempo. Agora, a maior força em tempos de solidão é a lembrança de que nunca estamos desamparados, porque temos Deus ao nosso lado. Diz a Bíblia que mesmo que nossos pais venham a nos desamparar, o Senhor nos acolherá. Nos momentos de solidão precisamos orar e buscar a presença de Deus. Quando todos desampararam Jesus, ele disse: “Não estou sozinho, pois o meu Pai está comigo” (Jo 6.32). E quando partiu, Jesus não nos deixou só, ele permanece conosco por meio do Espírito Santo. 

A presença de Deus cura a solidão.