quinta-feira, 26 de abril de 2018

Dívida de amor

Romanos 13.8-10

Não devam nada a ninguém, a não ser o amor de uns pelos outros, pois aquele que ama seu próximo tem cumprido a Lei (Rm 13.8).

Paulo fala que nós devemos cumprir nossos compromissos financeiros: “A ninguém fiqueis devendo coisa alguma”. Vem então a lembrança de um compromisso mais importante ainda, o amor ao próximo. E ele diz: “Não devam nada a ninguém, a não ser o amor de uns pelos outros”. Parece que ele está dizendo que devemos ficar em dívida de amor, que podemos ficar devendo amor. Mas na verdade, ele quer nos lembrar que temos uma dívida contínua para com o nosso próximo, o amor. Está dívida de amor não pode ser quitada, pois todas as vezes que nos encontramos com uma pessoa precisamos tratá-la com amor, pagar nossa dívida de amor. Não podemos desprezar as pessoas, não devemos tratá-las mal. Seja em casa, no trabalho, na rua, seja uma pessoa pobre, rica, bonita, feia, doce ou azeda, devemos amá-la. Ele conclui dizendo: “pois aquele que ama seu próximo tem cumprido a Lei”.
Certa vez ouvi uma comparação que dizia que cada encontro com uma pessoa é como uma visita ao banco, você pode fazer um depósito ou retirada. Se você for ao banco muitas vezes e só retirar dinheiro da sua conta, logo seu saldo vai diminuir. Se você visitar o banco e depositar dinheiro em sua conta ou poupança, seu saldo vai crescer. Da mesma forma, se cada vez que nos encontramos com alguém fazemos uma retirada, tratamos mal, olhamos feio, contamos uma piadinha irônica, nosso saldo vai diminuindo. Mas, se quando encontramos alguém, somos carinhosos, simpáticos e sinceramente tratamos com amor, nosso saldo vai aumentar. 
Paulo disse: “Pagai a todos o que lhes é devido” (Rm 13.7a). Ele ensina que todos nós devemos pagar nossas dívidas. Também nos lembra que dívida não se limita às dívidas financeiras como impostos ou compras, mas que temos uma dívida para com o nosso próximo que é a dívida de amor. “A quem respeito, respeito; a quem honra, honra” (Rm 13.7b).

Temos o compromisso de amar nosso próximo como a nós mesmos.  


quarta-feira, 25 de abril de 2018

Faces da Dúvida

Tiago 1.5-8

Mesmo assim não duvidou nem foi incrédulo em relação à promessa de Deus, mas foi fortalecido em sua fé e deu glória a Deus (Rm 4.20).

A dúvida pode ser nosso maior inimigo, mas também nosso principal aliado. O pastor Luiz Henrique Filho diz em uma de suas crônicas: acreditar em tudo, ser crédulo demais, crente demais, parece ser tolice. Não posso nem devo acreditar em tudo, em todos. Também não posso duvidar de tudo. A dúvida gratuita, maldosa, infantil pode prejudicar e muito a vida humana”. Como tudo na vida exige moderação, é preciso aprender a equilibrar nossas dúvidas.
A Bíblia nos traz exemplos de momentos em que devemos duvidar, como também momentos em que devemos através de nossa fé não duvidar. Em Mateus 24, Jesus diz que nos últimos dias apareceriam falsos profetas e falsos Cristos. Eles realizam vários sinais e maravilhas, mas destes devemos duvidar. “Se, então, alguém lhes disser: ‘Vejam, aqui está o Cristo!’ ou: ‘Ali está ele!’, não acreditem” (Mt 24.23). Não devo acreditar em tudo que as pessoas falam por aí. Principalmente se o que falam está em desacordo com a Palavra de Deus. Antes de acreditar, preciso refletir sobre a veracidade da informação. “A dúvida é a escola da verdade” (Francis Bacon). 
Mas, da mesma forma que é um grande erro sair por aí aceitando tudo que dizem sem questionar, é errado duvidar de todas as coisas. Entre alguns exemplos bíblicos, encontramos o alerta para não deixarmos a dúvida nos afastar da fé. Hebreus 3.12 diz: “Cuidado, irmãos, para que nenhum de vocês tenha coração perverso e incrédulo, que se afaste do Deus vivo”. Algo muito ruim é a tendência de julgar, questionar e duvidar de todas as pessoas, de todas as notícias e a mania de receber toda informação como questionável. Quem duvida demais acaba por duvidar da própria fé e salvação. 
Estejamos atentos e que a dúvida seja um bem em nossa vida, nos leve a exercitar a fé e a encontrar a sabedoria.


Deus esclarece as nossas dúvidas.