terça-feira, 24 de abril de 2018

Tocha tirada do fogo

Daniel 6.26-28

Este homem não parece um tição tirado do fogo? (Zc 3.2b).

O grande pregador João Wesley (1703-1791) é muito conhecido, mas talvez você não tenha ouvido falar sobre  a história do incêndio que aconteceu em sua casa quando ele era criança. Esta história foi narrada assim: O céu, à meia-noite, era iluminado pelo reflexo sombrio das chamas que devoravam vorazmente a casa do pastor Samuel Wesley. Na rua, ouviam-se os gritos: “Fogo! Fogo!” Contudo, a família do pastor continuava a dormir tranquilamente, até que os escombros ardentes caíram sobre a cama de uma filha, Hetty. A menina acordou sobressaltada e correu para o quarto do pai. A mãe, ao ser despertada, arrebatou a criança menor, Carlos, do berço. Chamou os outros meninos, insistindo que a seguissem, desceu a escada; porém João, que então contava cinco anos e meio, ficou dormindo. Três vezes a mãe, Susana Wesley, que se achava doente, tentou, debalde, subir a escada. Duas vezes o pai tentou, em vão, passar pelo meio das chamas, correndo. Sentindo o perigo, ajuntou a família no jardim, onde todos caíram de joelhos e suplicaram a favor da criança presa pelo fogo. Enquanto a família orava, João acordou e, depois de tentar descer pela escada, subiu numa mala que estava em frente a uma janela, onde um vizinho o viu em pé. O vizinho chamou outras pessoas e conceberam o plano de um deles subir nos ombros de um primeiro enquanto um terceiro subia nos ombros do segundo, e alcançaram a criança. Dessa maneira, João foi salvo da casa em chamas, apenas instantes antes de o teto cair com grande fragor. O menino foi levado pelos intrépidos homens que o salvaram para os braços do pai. “Cheguem, amigos!”, clamou Samuel Wesley, ao receber o filhinho, “ajoelhemo-nos e agradeçamos a Deus! Ele me restituiu todos os meus filhos; deixem a casa arder; os meus recursos são suficientes”.
Deus cuida de cada um de nós. Ele nos livra de muitos perigos. Deus nos protege porque nos ama e tem um propósito especial para realizar em nossas vidas. 


Deus nos livra e nos salva com seu amor leal.  

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Intenção e ação

2Coríntios 8.1-5

Cada um dê conforme determinou em seu coração, não com pesar ou por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria (2 Co 9.7).

Certa vez, Billy e Ruth Graham viveram a seguinte experiência na igreja em um domingo: como as ofertas estavam sendo recebidas, Billy colocou sua mão no bolso com a intenção de pegar uma nota de 5 dólares. Ao invés disso, pegou uma de 50, só percebendo o fato quando a colocou no pote com as demais notas. Ele ficou um pouco assustado com o que havia feito e disse para sua esposa: “Bem, ao menos serei recompensado no céu por dar 50 dólares”. “Não”, ela disse. “Você receberá a recompensa por 5 dólares, porque foi o que você realmente quis dar”.
A história desta conversa bem humorada deste casal é uma boa ilustração. Uma oferta ou ação deve ser generosa e esta generosidade começa na intenção, no coração. Intenção é muito importante, porque diferente do homem, Deus vê o coração. A Bíblia nos diz que “Deus ama quem dá com alegria” (2Co 9.7). Dar com alegria é dar sem qualquer outro interesse, sem limite ou restrição. “Dar não é um luxo dos ricos. É um privilégio dos pobres e de todos mais, não apenas aqueles que têm dinheiro disponível. Dar é uma responsabilidade. É uma oportunidade. E é uma bênção para cada seguidor de Jesus Cristo” (Devocionais Diários). Paulo exortou os coríntios a dar, ele citou como exemplo os crentes da Macedônia, que eram muito mais pobres que os cristãos de Corinto. Falando a respeito deles, em 2Coríntios 8.2, Paulo diz: “No meio da mais severa tribulação, a grande alegria e a extrema pobreza deles transbordaram em rica generosidade”. Como os termos “severa tribulação”, “grande alegria” e “extrema pobreza” se encaixam em um só versículo? Encaixam-se quando as pessoas encontram a alegria em dar. O grande segredo dos macedônios está no v.5 (2Co 8) que diz: “mas entregaram-se primeiramente a si mesmos ao Senhor e, depois, a nós, pela vontade de Deus”.


Boas ações partem do coração.