segunda-feira, 11 de novembro de 2019

O preocupador


Leitura Bíblica: Salmo 37.1-5

Descanse no Senhor e aguarde por ele com paciência (Sl 37.7a). 

O pastor Lloyd John Ogilvie conta que uma vez resolveu fazer uma lista do que lhe preocupava. Ele disse: “Fiz uma relação das coisas que me irritava na vida, as responsabilidades e os relacionamentos. Para a minha surpresa, a lista ocupou uma página toda do meu diário de devoções. Decidi pedir ao Senhor que me ajudasse a declarar guerra contra a irritação. Entreguei a ele cada uma das minhas preocupações e escrevi o que aconteceu depois. Algumas das coisas que me irritavam jamais se tornaram realidade, muitas se resolveram pela intervenção do Senhor e outras se transformaram em fonte de crescimento na confiança e paciência. Hoje, um ano depois, examinei novamente essa relação. Por que cargas d’água eu me preocupei com isso? perguntei a mim mesmo”. 
Você é um preocupador de mão cheia? Se irrita com facilidade, faz tempestade em copo d’água? Isso acontece principalmente com pessoas que exageram no perfeccionismo, cobram de si mesmo e dos outros padrões altos demais. Precisamos tomar cuidado com isso. Pois viver tão irritado além de fazer mal para nós, fará mal para as pessoas que convivem conosco. Devemos ser responsáveis e fazer o melhor que pudermos, claro que não podemos ser relaxados. Mas não é preciso fazer tudo tomado por nervosismo, irritado o tempo todo. Devemos fazer tudo com amor e paciência. 
O Salmo 37 ensina que até mesmo quando somos perseguidos devemos manter a paciência. Descansar no Senhor, esperar nele e não se irritar. “Irritar-se é fazer mau uso da imaginação, trazendo à mente quadros do pior que poderia acontecer. Uma imaginação cativada por Cristo nos capacita a ver com clareza maior o que ele deseja que façamos com as pessoas e situações que nos irritam” (Lloyd John Ogilvie). O tempo vai mostrar que ficar bravo ou agredir os outros não é o melhor caminho. Quando esperamos com paciência demonstramos confiança em Deus. É certo que Deus cuida de todas as coisas. 
Que a paz de Deus nos acompanhe.

domingo, 10 de novembro de 2019

Árvore dos problemas


Leitura Bíblica: Gálatas 5.22-26

O homem irritável provoca dissensão, mas quem é paciente acalma a discussão (Pv 15.18).

O carpinteiro terminou mais um dia de trabalho e resolveu convidar um amigo para ir a sua casa. Ao chegar, antes de entrarem, o carpinteiro parou por alguns minutos, em silêncio, diante de uma árvore que ficava no seu jardim. Em seguida, tocou seus ramos com ambas as mãos. Imediatamente seu rosto mudou. Entrou em casa sorrindo, foi recebido pela mulher e filhos, contou histórias, e saiu com o amigo, na varanda. Dali, podiam ver a árvore. Sem conseguir controlar sua curiosidade, o amigo perguntou o que fizera antes. - Ah, esta é a árvore dos meus problemas, respondeu. - Sei que não posso evitar ter aborrecimentos no meu trabalho, mas estas preocupações são minhas, e não pertencem à minha esposa, nem aos meus filhos. Assim, quando chego aqui, penduro meus problemas nos ramos daquela árvore. No dia seguinte, antes de sair para o trabalho, eu os recolho de novo. O mais curioso, porém, é que quando saio de manhã e vou procurá-los, alguns já não estão mais ali, e outros parecem bem menos pesados do que na noite anterior.
Muitas pessoas, depois de um dia enfrentando problemas no trabalho não podendo brigar com o patrão, quando chegam em casa despejam sua raiva na primeira pessoa que encontram. É claro que não é tão fácil deixar os problemas pendurados em uma árvore, mas devemos sempre pedir a Deus que nos dê paz, que nos ajude colocando longanimidade em nosso coração. 
Se deixarmos os problemas tirarem a nossa paz, vamos viver constantemente nervosos e descontrolados. É preciso sempre lembrar que cada problema tem uma solução apropriada e o tempo certo de ser resolvido. É preciso entender que quando descarregamos nossa raiva de uma pessoa em outra, só vamos conseguir aumentar a carga de problemas e conflitos que já temos. Mas quando deixamos o problema de lado e agimos com amor, a paz de Deus invade nossa vida e muitos problemas são até esquecidos.  

Pare alguns minutos e coloque diante de Deus seus problemas. 

sábado, 9 de novembro de 2019

O mais importante


Leitura Bíblica: Romanos 14.1-4

O fato de haver litígios entre vocês já significa uma completa derrota. Por que não preferem sofrer a injustiça? Por que não preferem sofrer o prejuízo? (1Co 6.7).

Dois amigos se desentendiam sobre se o vento ou se a bandeira que se movia. Um dizia: “É a bandeira que está se movendo.” O outro retrucava: “Nada disso. É o vento que a está movendo”. Estavam ficando muito bravos um com o outro, cada um defendendo seu ponto de vista, quando um terceiro sugeriu que fossem falar com um conhecido homem sábio a poucos quilômetros dali. Caminharam até lá ainda discutindo. Quando chegaram, era tarde. Não podiam ver o sábio. Teriam de ficar na casa de hóspedes. Quem cuidava dessa casa era uma senhora muito simpática. Ela os acolheu, serviu-lhes uma sopa e foi descansar. Da outra sala, ouviu as vozes, que se elevavam: “É a bandeira que se move”. “É o vento”. Ela entrou na sala e disse: “Seus tolos! Não é nem a bandeira nem o vento. Suas mentes é que estão se movendo”. Silenciaram. Ela os convidou a se acalmar, respirar fundo, pensar com calma, ir além do egoísmo, tentar analisar melhor a questão, enxergar por outro ponto de vista. Assim chegaram a um acordo. Libertos das dúvidas e confusões, na manhã seguinte se foram. Não precisaram mais falar com o sábio. Vento e bandeira não se opunham e, juntos, se aquietaram.
Com está história podemos aprender que muitos conflitos podem ser evitados se tivermos paciência para sair da zona de confronto e se com amor tentarmos entender o que passa na mente da pessoa que pensa diferente de nós. Se tivermos uma visão mais abrangente de cada situação, podemos mudar de opinião ou até mesmo compreender que não vale a pena discutir. Precisamos nos desarmar, deixar de lado muitas coisas que não são tão importantes. Não precisamos provar que estamos mais certos do que os outros. Nossa amizade, nosso relacionamento cristão é mais importante do que saber “o que se move”. 

O mais importante é o amor. 

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

Abençoado


Leitura Bíblica: Salmo 13

Acorda! Desperta! Faze-me justiça! Defende a minha causa, meu Deus e Senhor (Sl 35.23).

Por vezes nos vemos pensando: Se não tivesse parado ali. Se não tivesse me ferido aqui… Muitas de nossas orações parecem não ser respondidas, pois pedimos a solução de um problema e aparecem outros. Pedimos o sol e vem uma tempestade. Clamamos por prosperidade e vem a escassez. Sábias são as palavras de F. Whitfield quando disse: “Deus não responde as orações de seu povo removendo as pressões, mas aumentando-lhes a capacidade de suportá-las. Em geral, a pressão é a cerca entre o caminho estreito da vida e o caminho largo da ruína; e se nosso Pai celeste fosse removê-la, talvez sacrificasse o céu”. 
Parece que não conseguimos compreender que as bênçãos estão presentes sempre. Seja na dor, na separação de algo ou alguém amado, seja na tranquilidade, na paz da amizade. Sempre é tempo de bênçãos na vida do cristão. “Qual é a tua estação nesta manhã? É a estação da seca? Então, é a estação das chuvas. É a estação de aflições e nuvens escuras? Então, é a estação das chuvas. A tua força será como os teus dias. Farei descer chuvas de bênçãos. A palavra está no plural. Deus enviará todos os tipos de bênçãos. As bênçãos de Deus seguem todas juntas, como elos de uma corrente de ouro. Se Ele dá bênçãos secretas, também dará bênçãos confortadoras. O Senhor enviará chuvas de bênçãos. Volta-te para cima, ó planta ressecada, e abre tuas folhas e flores para a irrigação celestial” (Spurgeon).
É promessa de Deus dar chuva no tempo certo. “Na estação própria farei descer chuva; haverá chuvas de bênçãos” (Ez 34.26). “Nossa esperança não está pendurada num cordão simples do tipo ‘é o que imagino’ ou ‘é provável’; mas o cabo, a corda resistente que segura nossa âncora, é o juramento e a promessa daquele que é a verdade eterna. Nossa salvação é atada com a própria mão de Deus e com a própria força de Jesus, na estaca resistente da natureza imutável de Deus” (William Rutherford).

O meu poder se aperfeiçoa na fraqueza.

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Flores e espinhos


Leitura Bíblica: 1João 5.1-4

Mas graças a Deus, que sempre nos conduz vitoriosamente em Cristo e por nosso intermédio exala em todo lugar a fragrância do seu conhecimento (2Co 2.14).

Os desertos do México são lindos devido, em grande parte, à variedade extraordinária de casas e suas belas flores. Porém, dizem que são as espécies mais espinhosas de todo o mundo. 
As pessoas são muitas vezes plantas paradoxais. Excelentes em certas coisas, bonitas, mas também espinhentas. É você uma pessoa com quem os outros podem viver alegremente? Ou será que somente aqueles que estão vendo você à distância podem admirá-lo? 
Para se obter uma vida sem tantos espinhos é preciso aprender com Jesus a amar. Quem ama a seu próximo demonstra verdadeiro caráter cristão. Se buscamos amar a Deus e ao próximo, quanto mais nos aproximarmos das pessoas, mais perfumadas elas ficam. Como disse Paulo: “Deus por meio de nós, manifesta a fragrância do seu conhecimento. Porque nós somos para com Deus o bom perfume de Cristo, tanto nos que são salvos como nos que se perdem” (2Co 2.14-15). As pessoas poderão ver de perto que somos conforme nossa aparência. Verão que nossa beleza é até maior do que parece. Pois de perto não verão a nós mesmos, mas o que somos em Deus. E quando nos aproximarmos dos outros não vamos feri-los e sim, seremos remédio. Não chegamos sozinhos perto de ninguém, sempre traremos conosco a palavra de Deus, seus conselhos sábios, o consolo que o Espírito Santo dá. 
Quando nos enchemos do amor de Deus passamos a transpirar este amor. Nossas ações do dia a dia são realizadas sem ofender o próximo. Nossas ações têm o cuidado de não magoar ou prejudicar o outro. 
“Se os nossos filhos puderem escrever em nosso túmulo: ‘Era fácil viver com este’, isto é bastante para mostrar que vivemos bem no nosso lar” (Autor Desconhecido). Que sejamos pessoas fáceis de viver e conviver. Pessoas que contam com a simpatia dos que estão longe e principalmente de quem está próximo. Que sejamos bênção na sociedade e também em nosso lar. 

O amor cria uma vida sem espinhos. 

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Sequilho com goiabada


Leitura Bíblica: Salmo 33.1-5

Alegrar-me-ei e exultarei em ti; ao teu nome, ó Altíssimo, eu cantarei louvores (Sl 9.2).

Veja esta inspirativa história de um autor desconhecido: “Criei o costume de toda semana comprar sequilho com goiabada na padaria perto daqui de casa. Comê-lo bebendo um café sem açúcar tornou-se, sem exagero, um dos momentos mais deliciosos da semana. Mas a goiabada me incomodava. Não necessariamente ela, mas sua pouca quantidade. Era um pingo no meio do sequilho. Reclamei na padaria, chamei o padeiro de usura e tudo mais. Outro dia, voltando do trabalho, passei pela padaria e, pra minha sorte, disseram que havia um sequilho especial pra mim. Lá estava, o meu sonho num sequilho de um real. Quase que completamente coberto de goiabada. Chegando em casa, preparado o café e toda a ritualística necessária para consumir o apetecível sequilho, ocorreu que não comi nem a metade. Enjoei na segunda mordida. Doce demais, chegava a dar náuseas. Dia seguinte, cheguei na padaria e lá estava: outro sequilho coberto de goiabada. Me ofereceram e, por vergonha de dizer que odiei o do dia anterior, comprei. Em casa, raspei a goiabada e comi. O problema, o inferno, não era a goiabada nem o padeiro, era eu. Fui eu quem, amando o que amava, queria do meu jeito, sem entender que eu gostava era do jeito que era, porque se do meu jeito fosse, eu rejeitaria, enjoaria e até tentaria fazê-lo voltar a ser como era. Essa semana voltei à padaria, pedi o sequilho sem excesso de goiabada e mandei avisar ao padeiro que a receita original dele é que era a boa e não a minha versão”.
Deus faz tudo perfeito. Os sabores, os momentos e acontecimentos. Nós frequentemente tentamos mudar as coisas. Queremos mais prazer. Trabalhamos muito, nos divertimos demais, sem notar que os excessos não aumentam a alegria, mas chegam a causar náuseas. Que possamos desfrutar a vida com moderação, prazer e alegria. Deus nos proporciona momentos deliciosos. Ele é Deus, sabe bem o que faz. Seus pensamentos são mais altos e melhores do que os nossos. 

Alegre-se e desfrute dos caminhos traçados por Deus. 

terça-feira, 5 de novembro de 2019

Paz no vale


Leitura Bíblica: Salmo 84.5-7

Alegrem-se no Senhor e exultem (Sl 32.11a).

Não há vale profundo demais é uma música de Alda Célia. Uma música muito bonita e uma letra melhor ainda. Diz a canção: “Eu sei, Senhor, que não desprezarás coração quebrantado e contrito. Eu sei, Senhor, que conheces melhor tudo o que acontece comigo. Mesmo nos momentos de dor e aflição posso ouvir tua voz, segurar tua mão. Não há vale profundo demais que a tua presença não possa alcançar. Não há vale profundo demais que o sol da justiça não possa iluminar. Eu sei, teu amor é que me ensina transformar cada vale em uma fonte a jorrar”. 
O Salmo 84 é um cântico de alegria. A alegria pela presença de Deus. Ele recorda momentos difíceis passados contrastando com o tempo presente de bênçãos. Fala da alegria do caminho até Deus, alegria que é presente mesmo que este caminho seja trilhado por estradas desertas. “Felizes são aqueles que de ti recebem forças e que desejam andar pelas estradas que levam ao monte Sião! Quando eles passam pelo Vale das Lágrimas, ele fica cheio de fontes de água, e as primeiras chuvas o cobrem de bênçãos. Enquanto vão indo, a força deles vai aumentando; eles verão o Deus dos deuses em Sião” (Sl 84.5-7 - NTLH). Feliz é o homem que em peregrinação tem a mente voltada para os altos caminhos para Sião. Este recebe diretamente de Deus forças para continuar.  
“O salmista fala sobre a felicidade nos caminhos difíceis. Cuja vida é nutrida por Deus. Embora tal homem possa passar pelo vale ressequido, contudo, visto estar a caminho de Jerusalém, faz dele uma fonte (Is 35.7; 48.21). Como uma planta que floresce no deserto, por onde passa deixa o lugar alegre. O vale árido era transformado pela presença das peregrinações. E as chuvas também o fazem ficar atapetado de relva e flores. A força deles vai aumentando. Esses peregrinos são encorajados e fortalecidos em sua jornada, até que, a semelhança do salmista, cada um deles em Sião aparece perante Deus” (João Calvino). 

Tu me farás ver os caminhos da vida.

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Capacitação de Deus


Leitura Bíblica: João 20.19-23

Ponham em prática tudo o que vocês aprenderam, receberam, ouviram e viram em mim. E o Deus da paz estará com vocês (Fp 4.9).

Quando nossos sonhos estão em consonância com a vontade de Deus, temos uma visão certeira. Conseguimos imaginar realidades que ainda não foram construídas. Vemos o que outros não veem. Enxergamos o que Deus quer. E é certo que Deus nos fortalece para podermos desempenhar bem tudo o que precisamos fazer. “É da maior necessidade que todos os servos de Cristo lembrem-se de que quando o Senhor coloca uma pessoa em posição de responsabilidade, ele sempre a capacita para a função e a mantém ali. Ele a investe da graça necessária para ocupá-la. Nunca falharemos se nos apegarmos ao Deus vivo. Nunca ficaremos ressequidos se estivermos recorrendo à fonte” (C. H. Mackintosh). Disse Jesus: “Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva” (Jo 7.38). 
É importante conhecer e fazer a vontade de Deus. Somos chamados a completar a obra que Jesus iniciou. “Assim como o Pai me enviou, também eu vos envio” (Jo 20.21b). “Cada um de nós, assim como o amanhecer nos convida a viver outro dia, deve perceber que somos enviados por ele como os anjos que cumprem ‘as suas ordens, obedecendo à voz da sua palavra’. Existe algum plano para o trabalho de cada dia, e ele no-lo desvendará, bastando que o busquemos. Uma missão a cumprir, algum serviço a prestar, alguma lição a aprender com paciência, a fim de que possamos estar aptos a também alcançar outros” (F. B. Meyer).
Infelizmente, se insistirmos em viver apenas nossos próprios sonhos teremos problemas. Se andarmos por caminhos que agradam o nosso coração e não o coração de Deus, perderemos todo o vigor. O lugar certo é seguir o caminho de Deus. Os sonhos reais e verdadeiros são conforme o propósito de Deus. Só em Deus temos segurança. Só no serviço de Deus encontramos força e proteção. Só andando nos caminhos de Deus iremos glorificá-lo através de nossas vidas. 

Sempre há uma capacitação especial para uma tarefa especial.

domingo, 3 de novembro de 2019

O problema sou eu!


Leitura Bíblica: Romanos 3.21-26

O Senhor sonda todos os corações e conhece a motivação dos pensamentos. Se você o buscar, o encontrará (1Cr 28.9b).

No começo do século XX, quando os editores do jornal Times, de Londres, pediram a alguns escritores eminentes que contribuíssem com alguns artigos pequenos sobre o tema “O que há de errado com o mundo?”, G. K. Chesterton respondeu: Prezados Senhores, Eu. Cordialmente, G. K. Chesterton. Acredito que quando identificamos qualquer problema deveríamos começar olhando para nós mesmos. É fácil de identificar a culpa das outras pessoas. Como diz o provérbio português: “O diabo é o outro”. Pensamos que o pecador é o outro. Não é tão fácil perceber que também fazemos parte do problema. Admitir que muitas vezes o problema somos nós. Qual é o problema de sua igreja? De seu casamento? De sua escola? 
O pecado atingiu toda a raça humana. “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram” (Rm 5.12). Em Cristo temos o perdão e a salvação. “Porque, como, pela desobediência de um só homem, muitos se tornaram pecadores, assim também, por meio da obediência de um só, muitos se tornarão justos” (Rm 5.19). Mesmo atingidos pela graça de Deus, ainda somos pecadores. Vivemos em um processo de santificação. Mas precisamos lutar diariamente contra o pecado. Devemos admitir que somos falhos e confessar os nossos pecados. O grande perigo que corremos é exatamente ampliar a visão do pecado dos outros negando os nossos erros, tendo desculpas prontas para explicar nossas falhas e pecados. Esta negação é inimiga da confissão. A forma mais comum de negação de nossos erros é a acusação das falhas dos outros.
Provérbios 16.2 diz: “Todos os caminhos do homem são puros aos seus olhos, mas o Senhor pesa o espírito”. Precisamos pedir que Deus esquadrinhe nossos pensamentos e coração. Nos mostre o que está errado, e que nos perdoe e nos corrija. 

Deus ilumina o nosso coração.