terça-feira, 22 de abril de 2008

Cidadãos dos Céus

Apocalipse 22.1-6

Então vi novos céus e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia (Ap 21.1).

As ruas de ouro do céu me fascinam desde a infância. Mas felizmente, o que nos aguarda no céu vai além de suas ruas. Temos então a promessa de uma vida perfeita sem doenças e sem choro, face a face com Deus. Pensar assim muda a nossa forma de viver o presente. Quando reconhecemos que nossa vida aqui nesta terra é passageira passamos a viver diferentemente.
A diferença que ocorre é que temos na vida maior alegria. Nossa esperança não está depositada nas conquistas passageiras, nos tesouros, nos títulos, mas nossa alegria está firmada na salvação eterna. Também ocorre uma mudança nas nossas atitudes. Conhecendo que teremos uma nova vida desde já, vivemos como cidadãos dos céus.
É comum vivermos presos às coisas deste mundo. Presos a ponto de pensar que aqui é o melhor lugar para estar. Presos a ponto de achar que nunca vamos morrer. Às vezes, nos acomodamos na vida que levamos com família, trabalho, amigos e nos esquecemos que isso tudo é passageiro.
Mesmo vivendo ainda num contexto diferente e distante da nossa pátria celeste, não podemos esquecer que as nossas atitudes devem ser orientadas pela Palavra de Deus. É preciso estar alerta em todo o tempo para viver neste mundo livre do mal. Devemos seguir o conselho de Paulo que diz em I Co 7:29-31 “Isto, porém, vos digo, irmãos: o tempo se abrevia; o que resta é que não só os casados sejam como se o não fossem; mas também os que choram, como se não chorassem; e os que se alegram, como se não se alegrassem; e os que compram, como se nada possuíssem; e os que se utilizam do mundo, como se dele não usassem; porque a aparência deste mundo passa (ERA)”.
Nossa vida será aprimorada, aperfeiçoada nos céus, mas o viver em santidade começa aqui. Fazemos isso em gratidão a Deus pela vida eterna que ele nos dá.

Pense no céu, viva como um cidadão dos céus.