quarta-feira, 2 de maio de 2012

Se a igreja Não fizer, quem fará?


Por Haidi Bernhard de Souza – Anápolis/GO
“ E, então, se dirigiu a seus discípulos: A seara, na verdade, é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.”
Mateus 9:37-38
Esta tem sido a nossa oração por muitos anos. Estivemos num encontro de missionários da MNTB (Missão Novas Tribos do Brasil) onde os testemunhos corriam entre eles.
Dentre outros, um deles me chamou a atenção. Havia um missionário chegando ao norte do Brasil para trabalhar numa tribo. Estava pronto, passou pelo treinamento teológico, linguístico, e de campo. Daquela etnia havia 40 grupos e somente um deles receberia missionário. Um indígena pediu para mandá-lo para a sua aldeia, mas o líder da missão disse: não posso, pois só temos este missionário e ele deve continuar o trabalho que o outro missionário começou e teve de deixar. O indígena insistiu e o líder da Missão disse que era impossível. Pediu algumas vezes, como não deu resultado, então o indígena disse “eu sou mesmo um desgraçado”.
Muitos indígenas estão pedindo missionários, abrindo pistas em suas aldeias para facilitar o acesso dos mesmos, mas são poucos os trabalhadores para a seara e as Missões têm que dizer “não dá” – o que dói como uma facada no peito.
Em Medonho, comunidade do povo Culina no sudeste do Amazonas, foi construída uma destas pistas, Eles trabalharam arduamente sem ter os equipamentos que nós temos, fazendo viagens para consultar nosso piloto que pousava numa outra aldeia culina, até que a pista ficou pronta, então teve festa! O piloto fez o vôo e o pouso foi lindo! Inauguraram a pista com grande alegria. Mas, então veio a realidade, a resposta da MNTB: “Não temos missionário para a sua aldeia”. Que tristeza, esperaram tanto e não teve ninguém, o mato cresceu novamente. Se a Igreja não ouvir o clamor das selvas, quem irá ouvir?