terça-feira, 18 de setembro de 2012

A Lei de Deus


Por Solano Portela
O que é a Lei de Deus? 
Deus proferiu e revelou diversas determinações e deveres para o homem, em diferente épocas na história da humanidade. Sua vontade para o homem, constitui a sua Lei e ela representa o que é de melhor para os seus. Quando estudamos a Lei de Deus, mais detalhadamente, devemos, entretanto, discernir os diversos aspectos, apresentados na Bíblia, desta lei.  Muitos mal-entendidos e doutrinas erradas podem ser evitadas, se possuirmos a visão bíblica do assunto. 
Nossa convicção é a de que podemos dividir a Lei de Deus em três áreas: 
Os três aspectos da Lei de Deus.
1.  A Lei Civil ou Judicial—Representa a legislação dada à sociedade ou ao estado de Israel, por ex.: os crimes contra a propriedade e suas respectivas punições.
2.  A Lei Religiosa ou Cerimonial—Esta representa a legislação levítica do Velho Testamento, por ex.: os sacrifícios e todo aquele simbolismo cerimonial.
3.  A Lei Moral—Representa a vontade de Deus para com o homem, no que diz respeito ao seu comportamento e seus deveres principais.

É toda a Lei aplicável aos nossos dias? 
Quanto à aplicação da Lei, devemos exercitar a seguinte compreensão:
1.  A Lei Civil:  Tinha a finalidade de regular a sociedade civil do estado teocrático de Israel.  Como tal, não é aplicável normativamente em nossa sociedade.  Os Sabatistas erram em querer aplicar parte dela, sendo incoerentes, pois não conseguem aplica-la, nem impingi-la, em sua totalidade.
2.  A Lei Religiosa:  Tinha a finalidade de impressionar aos homens a santidade de Deus e apontar para o Messias, Cristo,  fora do qual não há esperança.  Como tal, foi cumprida com Sua vinda.  Os Sabatistas erram em querer aplicar parte dela nos dias de hoje e em mistura-la com a Lei Civil.
3.  A Lei Moral:  Tem a finalidade de deixar bem claro ao homem os seus deveres, revelando suas carências e auxiliando-o a discernir o bem do mal.  Como tal, é aplicável em todas as épocas e ocasiões.  
Estamos Sob a Lei ou Sob a Graça de Deus? Muitas interpretações erradas podem surgir de um falho entendimento das declarações bíblicas de que “não estamos sob a lei mas sob a graça” (Romanos 6:14).  Se considerarmos que os três aspectos apresentados da lei de Deus são distinções bíblicas, podemos afirmar:
• Não estamos sob a Lei Civil de Israel, mas sob o período da Graça de Deus, em que o evangelho atinge todos os povos, raças tribos e nações.
• Não estamos sob a Lei Religiosa de Israel, que apontava para o Messias, foi cumprida em Cristo, e não nos prende sob nenhuma de suas ordenanças cerimoniais, uma vez que estamos sob a graça do evangelho de Cristo, com acesso direto ao trono, pelo seu Santo Espírito, sem a intermediação dos sacerdotes.
• Não estamos sob a condenação da Lei Moral de Deus, se fomos resgatados pelo seu sangue, mas nos achamos cobertos por sua graça.
• Não estamos, portanto, sob a lei, mas sob a graça de Deus, nestes sentidos.

ENTRETANTO...
• Estamos sob a Lei Moral de Deus, no sentido de que ela continua representando a soma de nossos deveres e obrigações para com Deus e para com o nosso semelhante.
• Estamos sob a Lei Moral de Deus, no sentido de que ela, resumida nos Dez Mandamentos, representa a trilha traçada por Deus no processo de  santificação, efetivado pelo Espírito Santo em nossas pessoas (João 14:15). Nos dois últimos aspectos, a própria Lei Moral de Deus é uma expressão de sua Graça, representando a objetiva e proposicional revelação de Sua vontade.