terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Amigo da onça

Provérbios 18.19-21
Um olhar animador dá alegria ao coração, e as boas notícias revigoram os ossos (Pv.15.30).

Como tratamos os nossos amigos? Você é um bom amigo para os outros?
Tive um professor que gostava de contar a história de dois amigos conversando a respeito de uma caçada que iriam fazer. Diziam o seguinte:
- O que você faria se uma onça aparecesse? - Ora, dava um tiro nela.
- Mas se não tivesse nenhuma arma? - Então eu usava meu facão.
- E se estivesse sem facão? - Subiria na árvore mais próxima!
- E se não tivesse nenhuma árvore? - Sairia correndo.
- E se você estivesse paralisado?
Então o outro retruca: - Mas você é meu amigo ou amigo da onça?”
Realmente parece que muitas vezes temos a tendência de ser amigo da onça. Dificultamos os relacionamentos. No lugar de uma palavra de incentivo temos sempre um empecilho engatilhado como sugestão. É mais fácil fazer alguém desistir de uma tarefa do que se dispor a ajudar. Mais fácil empurrar alguém montanha abaixo do que subir a montanha ao seu lado enfrentando junto os perigos e o cansaço. Parece mais fácil discordar do que pensar concordemente.
É preciso demonstrar amor ao próximo. Podemos fazer isso dando um olhar animador, falando palavras de incentivo. Devemos interceder por nossos amigos na hora da dificuldade e nos aproximarmos mais quando alguém está em dificuldade. Não devemos fazer amizade interesseira. Nossa intenção deve ser sempre ajudar e não apenas ganhar.
É necessário muito cuidado para não exagerar na liberdade que temos com alguém que é nosso amigo. Cuidado com nossas “brincadeiras” e palavras ofensivas.  Podemos demorar muito tempo para conquistar uma amizade e perdê-la em poucos minutos. Nossa língua pode causar discussões e como consequência estragar a amizade.
Na vida temos um grande amigo que é Deus. Ele é aquele que sempre estará conosco mesmo se todos outros amigos nos abandonarem. Com Deus podemos aprender como ser um verdadeiro amigo.
Cultivar a amizade é uma atitude de quem deseja colher o amor. 

Rev. Hebert dos Santos Gonçalves