sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Só Sorrisos

Salmo 126

Mesmo no riso o coração pode sofrer, e a alegria pode terminar em tristeza (Pv.14.10).

Podemos dividir os sorrisos em duas categorias: sorrisos verdadeiros e sorrisos falsos. Uma psicóloga Marianne LaFrance afirma que o sorriso verdadeiro dura apenas 4 segundos. Ocorre de maneira natural. Além de levantar os cantos da boca, causa uma contração do músculo que fica em volta do olho e movimenta as pálpebras. Já o sorriso falso dura mais tempo e, na maioria das vezes, só aparece nos lábios. 

Quantos sorrisos damos e recebemos durante um dia? Será que a maioria deles são falsos ou verdadeiros? Acredito que muitos, se não a maioria dos sorrisos que recebemos, são falsos, dados mais por educação. Mas são falsos não necessariamente porque as pessoas tem algo contra nós. E sim porque o sorriso que elas dão, não refletem verdadeira alegria vinda do coração. O sorriso pode esconder ou tentar esconder a tristeza. Para muitos a felicidade foi embora, a tristeza já chegou, o que resta é um sorriso amarelo de um coração que sofre. 
O Salmo 126 relata a alegria do povo pelo livramento de Deus. É o retorno do exílio à Terra Prometida pela intervenção de Deus que substituiu o sofrimento pela benção e alegria. Podemos ver claramente que o riso daquelas pessoas era verdadeiro, resultado do que estava acontecendo no coração delas. Tamanha era sua alegria que todos que os observavam falavam: “O Senhor fez grandes coisas por este povo.” A alegria deles era notória. Eles riam e repetiam as seguintes palavras: “Sim, coisas grandiosas fez o Senhor por nós, por isso estamos alegres.”
Quer sorrir?  Busque a Deus. Veja o que Ele pode fazer na sua vida. Não tente viver uma aparente alegria, disfarçada por sorrisos educados. Semeie com lágrimas e com fé peça a restauração de Deus. Você vai colher os frutos de alegria, daquele que transforma desertos em lugares alagados.  Aquele que traz as chuvas de bênçãos e os rios secos se enchem rapidamente. 

Deus encherá a sua boca de riso e os teus lábios, de júbilo.  

Rev. Hebert dos Santos Gonçalves