sexta-feira, 20 de maio de 2016

Nas teias

Provérbios 3.11-18

Os caminhos da sabedoria são caminhos agradáveis, e todas as suas veredas são paz (Pv 3.17).

Quando passamos por um caminho pouco utilizado, às vezes sentimos algumas teias de aranha grudando em nosso corpo. Nossa tendência é rapidamente puxar com os dedos os fios que mal enxergamos, tentando nos livrar daquele empecilho. Podemos até reclamar das teias, mas raramente lembramos que seus fios são mais fortes do que fios de aço de diâmetro igual. A teia de aranha é capaz de resistir à chuva, ao frio e ao calor e também é extremamente elástica. 
Diariamente passamos por caminhos, encontramos pessoas e deparamo-nos com situações que na maioria das vezes são vistas como barreiras e problemas. Infelizmente, é comum ter uma visão negativa da vida e dos acontecimentos. É mais fácil reclamar do calor do sol do que pensar na luz que ele nos dá, ou ficar com raiva de alguém que aponta nossos erros em vez de valorizá-lo por ter a coragem de dizer a verdade a nosso respeito. 
Algumas pessoas ou situações podem parecer teias de aranha que nos obrigam a fazer uma pequena pausa no caminho. Quando isso acontece, mais do que nos desvencilhar rapidamente delas, devemos refletir por que isto está acontecendo e como devemos agir. O texto de hoje nos ajuda a encontrar a resposta:
1. Não despreze a disciplina. Não desperdice o ensino que a vida e as situações podem nos dar. Os problemas não surgem para nos derrubar, mas para nos fortalecer. Não devemos viver fugindo deles, mas aprender com as dificuldades.
2. Encontre a sabedoria. Escolha a decisão mais sábia em cada situação. Esta, na maioria das vezes, não será a mais fácil de enxergar, mas a que trará melhor resultado. 
Que possamos, orientados por Deus e pela sua Palavra, vencer os dias maus, derrubando as muralhas que querem nos impedir de prosseguir. Que não sejamos detidos por pequenas “teias de aranha”, por mais fortes e resistentes que elas sejam! 


Quando aprendemos com as dificuldades, enfrentamos melhor as “teias” que surgem pelo caminho.