terça-feira, 31 de maio de 2016

Vaso novo

Jeremias 18.1-6

Bem sei que tudo podes, e nenhum dos teus planos pode ser frustrado (Jó 42.2)

Conta-se uma história de um artista que pediu para pintar o rosto de um pastor. Ele ia todos os dias na casa do pintor e, por cerca de trinta minutos, cumpria a função de modelo. O pintor nunca o deixou ver o quadro. Depois de algumas semanas, a esposa do artista entrou no ateliê enquanto ele pintava, olhou para o quadro, fez uma expressão de espanto e disse:
- Doente! Você o pintou como se fosse um cadáver!
O pintor respondeu: 
- Ele pessoalmente não está doente. Esta é a aparência que ele terá quando a compaixão se for, quando a misericórdia de Deus for removida dele.
O quadro que ele pintou do pastor era como um alerta. Ele mostra o que o pastor se tornaria se abandonasse ou negasse a sua fé.
Quando não estamos sob o cuidado do oleiro que é Deus, ficamos sem forma, estamos perdidos, sem vida e esperança. Mas quando estamos nas mãos de Deus, mesmo depois de quebrados, podemos ser novamente moldados. Deus não nos abandona, não somos descartáveis e sem valor para Deus. O vaso estragado é remodelado. Por isso, as decepções, as desilusões, as tristezas, as perdas, as frustrações não são o fim, mas apenas um novo começo. O Deus do impossível não pode ter nenhum de seus planos frustrados. Estamos nos planos de Deus, por isso seus planos para a nossa vida serão realizados.
É preciso também lembrar que Deus, como o oleiro, é que escolhe a forma exata para cada um de nós. Precisamos nos submeter à sua vontade. É preciso ter sensibilidade para discernir as mudanças que Deus quer fazer em nossa vida. Para viver como um vaso nas mãos de Deus é preciso muita humildade. Precisamos negar a nós mesmos, viver na dependência de Deus. 
Somente quando estamos prontos para o que Deus quer fazer em nós é que estaremos aptos para o que ele fará através de nós. 
Vivamos sob sua proteção, moldados por suas mãos, vasos que possuem grande tesouro e refletem o poder de Deus.


Grande é o poder de Deus, de cacos quebrados nos faz vasos de bênçãos.