quinta-feira, 14 de julho de 2016

Sócio ou servo?

João 6.26-29 

Disse Jesus: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e concluir a sua obra (Jo 4.34). 

No texto básico de hoje, Jesus repreende as pessoas que o seguiam com segundas intenções. Uma multidão impressionada com o milagre da multiplicação dos pães queria proclamar Jesus rei, à força. Ele recusou, retirando-se de lá. No dia seguinte, Jesus também recusa mais milagres diante de uma multidão, pois percebe que o seguem por causa dos pães que comeram. Eles buscaram Jesus pela comida e não porque queriam sua presença. Estavam interessados em benefícios pessoais e não em ouvir seus ensinos. Este é um erro muito comum. Trabalhar pela comida que perece, sem preocupação com a vida eterna. A mente consumista do homem moderno está afetando suas ações religiosas. É comum pessoas procurarem igrejas que lhes possam trazer benefícios. Não buscam o reino de Deus, mas o que ele pode acrescentar a suas vidas. Quem age assim está afastado de Deus e caminhando para afastá-lo mais ainda. 
É preciso ter uma vida cristã madura. Não apenas seguir uma religião para alcançar benefícios próprios. 
É preciso entender que o compromisso com Deus é motivado pela gratidão de conhecê-lo. Temos o privilégio de compartilhar da comunhão do criador de tudo, do Deus que é sobre todos os deuses. É preciso buscar a Deus para adorá-lo e servi-lo. Aproximar-se em atitude de humildade, reconhecendo a necessidade da sua misericórdia. Qual tem sido nossa motivação para buscar a Deus? O próprio Jesus deve ser o exemplo para nós. Ele disse que sua comida era fazer a vontade do Pai que o enviou a realizar a sua obra. Nossa maior motivação deve ser conhecer a vontade de Deus para nossa vida e andar conforme essa vontade. As bênçãos são certas se não as buscarmos mais do que o próprio Deus. Quem se alimenta do pão desta terra voltará a ter fome, mas aqueles que comem do pão do céu viverão para sempre. 


Existe um único Deus e ele deve ser buscado acima de tudo.