segunda-feira, 25 de julho de 2016

Vamos orar!

1 Samuel 28.3-6 

Se vocês permanecerem em mim, e as minhas palavras permanecerem em vocês, pedirão o que quiserem, e lhes será concedido (Jo 15.7). 

Em geral, as pessoas são atraídas por imagens e sons, a leitura é desprezada e a oração quase não existe. Cristãos do passado oravam durante horas, enquanto a geração atual ora pouco – e quando ora, na maioria das vezes é porque está diante de um grande problema e sua oração é motivada pela ansiedade e necessidade, e não pela piedade. Foi o que aconteceu com Saul. Quando consultou o Senhor, Deus não respondeu. Saul não foi um bom rei: foi desobediente a Deus e perseguiu Davi. Sua oração não foi respondida porque seu coração não era submisso ao Senhor. Ele não demonstrou arrependimento, tanto que depois de consultar a Deus foi procurar uma médium. Oração é mais que apenas pedir pelas nossas necessidades, sem nenhum compromisso com Deus. Ela deve fazer parte de nosso viver diário. Quando temos comunhão com Deus, obtemos resposta para as nossas orações. Lutero disse: “Todas as vezes que orei de coração, fui ricamente atendido e alcancei mais do que havia pedido. É verdade que por vezes Deus demorou um pouco, mas nem por isso deixou de me atender”. O versículo em destaque diz que quem permanece em Deus pode pedir o que quiser e receberá. Quem estiver vivendo de acordo com a Palavra de Deus e unido a ele, vai sempre fazer pedidos conforme a sua vontade. Estará certo de que aquilo que pedir é para a glória de Deus. Falando sobre isso, Tiago 4.3 diz: “Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres”. É preciso despertar para a urgente necessidade de oração. A melhor maneira de fazer isso é começando a orar. Jesus ensinou como orar (Pai nosso, Mt 6.9-13) e também podemos aprender sobre a oração lendo sobre Moisés, Abraão, Jó, Davi, Ana, Paulo e tantos outros que colocaram a sua causa diante de Deus e receberam resposta. 


Caminhando com Deus aprendemos o que é apropriado pedir.