quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Muito bom

Gênesis 1.26-31

Graças te dou, visto que por modo assombrosamente maravilhoso me formaste;
as tuas obras são admiráveis, e a minha alma o sabe muito bem (Sl 139.14).

Muitas pessoas atualmente são vítimas de um mal antigo que destrói a vida de dentro para fora: A insatisfação! Parece que para tais pessoas a vida não tem valor, sentido ou propósito. Vivem reclamando de tudo, de todos e de Deus, como se fossem completamente desprovidas de qualquer favor divino ou humano. Que infeliz engano! A vida por si somente é um incalculável privilégio! É a diferença entre “tudo e nada”, entre “ser ou não ser” e entre “o real e o irreal”. Por isso temos muitos motivos para vivermos felizes e satisfeitos!
O salmista fala da vida com alegria e agradece a Deus simplesmente por existir, pelo modo maravilhoso que foi formado. A nossa existência é singular em face da existência de todas as outras criaturas no universo! Deus nos fez de forma extraordinariamente maravilhosa! Moldou-nos à Sua imagem e semelhança; soprou em nós fôlego de vida; dotou-nos de consciência, algo que nenhum outro ser vivo tem e por fim revelou-se a nós ensinando qual o propósito da nossa existência, a saber: elogiar o Senhor através do que fazemos e desfrutar de tudo o que Ele é e faz! 
Gênesis 1.31 diz que Deus viu tudo o que fizera. Vendo sua criação, suas palavras foram: “e eis que era muito bom”. Nós somos a parte principal do que Deus chama de muito bom. É fundamental que não percamos a consciência do grande privilégio da existência! Disso depende a nossa saúde mental, emocional e espiritual! Quando não enxergamos este primeiro e fundamental privilégio, entramos no vazio existencial donde se colhe toda sorte de tristezas e desesperos. Que Deus nos ajude, hoje e sempre, a reconhecer o privilégio de existir! A  reconhecer que tudo que somos, temos e podemos fazer é resultado do ato criativo do Senhor, que nos fez de forma extraordinariamente maravilhosa para o louvor da sua Glória!


Se temos problemas é porque temos o privilégio de existir