terça-feira, 4 de outubro de 2016

O que darei?

Salmo 116.12-14

Ao Senhor declaro: “Tu és o meu Senhor; não tenho bem nenhum além de ti” (Sl 16.2).

A verdadeira gratidão deve se evidenciar no dia a dia. Mesmo nos momentos de dificuldade devemos ser gratos a Deus. Mas há uma pergunta que devemos fazer sempre a nós mesmos. Que darei ao Senhor por tantas bênçãos que recebo? Esta é a pergunta feita pelo Salmo que lemos e é também a pergunta da música “Meu Tributo” que diz: “Como agradecer pelo bem que tens feito a mim, que vem demonstrar
 quanto amor Tu tens ó Deus por mim. As vozes de milhões de anjos não poderiam expressar a gratidão do meu pequeno ser, que só pertence a Ti. À Deus demos glória pelas bênçãos sem fim. Com Seu sangue salvou-me. Seu poder restaurou-me. Quero viver aqui para adorar-Te, Meu Senhor. E se surgir um louvor, ao calvário seja sim.”
A letra da música diz algo muito parecido com o que o salmista disse. Diante de tão grande livramento, diante da percepção de como Deus é bom, chegamos a conclusão de que não podemos fazer nada que possa expressar de forma completa a gratidão que sentimos. Quando perguntamos a nós mesmos “o que darei ao Senhor?” não é com o objetivo de tentar pagar a Deus por sua bondade, mas para nos lembrar que temos uma dívida impagável diante dele e, por isso, grande deve ser a nossa gratidão por sua graça e misericórdia. A única coisa que podemos fazer é testemunhar o poder de Deus. Devemos adorar a Deus, dar glórias a Deus, contar as pessoas sobre o poder de Deus em restaurar, transformar e abençoar vidas. Demostrar gratidão não é oferecer sacrifícios e cumprir penitências. Que sacrifício estaria à sua altura? Gratidão é oferecer a Deus um coração contrito, é reconhecer o sacrifício de Jesus por nós na cruz e adorá-lo.  
  A vida é privilégio, por isso é preciso que vivamos agradecendo a cada instante o grande prêmio de mais um dia acrescentado à nossa existência. O que fazer diante de tantas bênçãos? A Deus demos muita glória pelas bênçãos sem fim.

A vida é maravilhosa quando a gratidão está presente.