quinta-feira, 3 de novembro de 2016

O DESAFIO

Filipenses 3.16-19

Tu, porém, sê sóbrio em todas as coisas, suporta as aflições, faze o trabalho de um evangelista, cumpre cabalmente o teu ministério (2 Tm 4.5 - ARA).

Temos um grande desafio: Ser imitadores de Deus no mundo atual. Ser diferentes da maioria. Hoje, muitos valorizam mais as coisas do que a vida humana. É mais comum ver pessoas impacientes do que tolerantes. Gente que tem muitas posses e estão cada vez mais insatisfeitas. Pessoas mais cultas, mas mesmo assim, menos sábias. Um mundo de extravagâncias e exageros, mas de menos fé e piedade. 
Olhar para um mundo assim causa tristeza, ficamos decepcionados com a atitude de muita gente. Nesta hora, no lugar do desânimo com o gênero humano, devemos lembrar que Cristo se entregou por nós, a fim de nos remir desta maldade. Em um mundo que perdeu seus valores, devemos renunciar a impiedade e viver de maneira sensata, piedosa, dedicando-se à prática das boas obras. 
“Quando entrarem na terra que o SENHOR, o seu Deus, lhes dá, não procurem imitar as coisas repugnantes que as nações de lá praticam” (Dt 18.9). Frase muito pertinente para ser usada hoje: Não procure imitar as coisas repugnantes que as nações praticam.
Veja comigo algumas das características desta época que mais nos afetam:
O colapso das crenças. Há uma descrença em tudo que se afirmou até então. Autoridades, instituições, família, governo, igrejas.
A busca de novidades exóticas. Necessidade de chocar, escandalizar, aparecer, rejeitar os padrões.
Um estilo individualista, hedonista e narcisista. Viver em função do prazer, em busca do que lhes é agradável, olhando mais para si que para o mundo. 
Ao viver em um mundo assim, devemos lembrar das duas palavrinhas que Paulo usa falando a Timóteo: “Tu porém”. Temos um grande desafio! É preciso saber como servimos a Deus no tempo no qual estamos inseridos! Para isso devemos seguir em frente sem mudar a direção. Viver de acordo com o que temos aprendido, como cidadãos dos céus que aguardam a vinda de Jesus.  


Nossa luta é viver piedosamente, influenciar e não ser influenciado.