quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Esperança de vida

1Timóteo 1.18-20

“Tais fostes alguns de vós; mas vós vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados em o nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus” (1Co 6.11).

Ela morreu. Não aconteceu de uma vez, foi aos poucos. Primeiro, tentando acertar, permiti que meus excessos a forçassem demais. Depois por algumas vezes deixei de dar atenção à sua voz. Com o tempo fui me convencendo que ela era apenas algo que me atrapalhava. Foi assim que aconteceu, minha consciência foi morrendo a cada dia, e por fim morreu. 
Isso ocorre com quem começa a tomar decisões erradas dia a dia, até que, para tentar consertar um erro, comete um maior. Chega um momento que o desejo de alimentar seus vícios é mais forte do que qualquer conceito de certo ou errado. Quem vive assim, vive duas vidas. Uma na qual aparenta ser uma pessoa normal, até cultivando atos dignos de elogios e outra escondida no porão da alma que já desfalece pelos constantes ataques sofridos. 
Mas, existe esperança. Deus nos ama, conhece nossos erros e não nos deixa viver para sempre como escravos de nossos desejos. A esperança existe, pois não há causa perdida para Deus. A palavra de Deus é vida. Deus transforma nosso coração e faz ressuscitar a nossa consciência. Ele nos leva ao arrepedimento. O Espírito Santo pode trazer o reavivamento necessário para cada um de nós. Deus transforma desertos em mananciais. 


Não desista, a morte da consciência acontece quando abandonamos a fé.