quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Caixinha de promessas

2Pedro 1.16-21

Bem-aventurados os que guardam as suas prescrições e o buscam de todo o coração” (Sl 119.2).

A Bíblia é um livro que em seus escritos traz muitas promessas: “Cuidarei de vocês”, “eu vos salvarei”, “estarei convosco”, “serei misericordioso”. Mas não devemos confundir a Bíblia com uma caixinha de promessas. Não podemos recortar a Bíblia em pedacinhos, colocar dentro de uma caixa para no começo do dia tirar alguns versículos e achar, que de forma sobrenatural, Deus vai falar conosco. Isso é uma prática perigosa. Conta uma antiga ilustração de um homem que, querendo ouvir o que Deus queria falar com ele, decidiu abrir a Bíblia aleatoriamente. O primeiro texto que ele viu foi o seguinte: “Então, Judas,… retirou-se e foi enforcar-se”. Depois, abriu a Bíblia em outra passagem que dizia: “Vai e procede tu de igual modo”. Por último, leu: “O que pretendes fazer, faze-o depressa”. 
Nosso compromisso com a leitura da Bíblia deve ser diário. Devemos ler toda a Bíblia, não apenas alguns versículos, nem apenas algumas passagens como aquelas sugestões de leitura no final de algumas Bíblias que dizem: Ler quando desanimados, quando doente, quando angustiado, fazendo sugestões dos versículos que devem ser lidos. Esta seleção de passagens podem ajudar muito, mas não devem substituir a leitura de toda a Bíblia. Há também livros como este que você está lendo, que trazem mensagens diárias e são muito bons para criar o hábito de fazer uma devocional ou culto doméstico todos os dias, mas não devem substituir a leitura da Bíblia. 


Inclina, Senhor, o meu coração aos teus testemunhos.