terça-feira, 15 de agosto de 2017

Desastres naturais

Lucas 21.25-28

“Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas; sobre a terra, angústia entre as nações em perplexidade por causa do bramido do mar e das ondas” (Lc 21.25).

Terremotos, furacões, desastres naturais. Qual é o significado desses fenômenos? Eles são anúncios do final dos tempos. Fazem parte dos juízos de Deus sobre o homem. O Rev. Eneziel Peixoto disse: “A revolução da natureza está dentro da ação pedagógica de Deus em um mundo insensível e surdo à sua voz”.  Também sobre este assunto o Rev. Augustus Nicodemus, disse: “Como o dilúvio, tragédias são determinadas por Deus como parte de seus juízos sobre nossa raça pecadora, para arrependimento. Não há inocentes”.
Diante destes acontecimentos, que atitudes devemos tomar? Nestes momentos, reconhecemos nossa fragilidade e insignificância. Essas tragédias devem despertar em nós o temor do Senhor. “A voz do SENHOR clama à cidade (e é verdadeira sabedoria temer-lhe o nome)” (Mq 6.9). Devemos confiar que Jesus breve voltará. “Ora, ao começarem estas coisas a suceder, exultai e erguei a vossa cabeça; porque a vossa redenção se aproxima” (Lc 21.28). Devemos vigiar, orar, buscar uma vida santificada para que este dia não nos pegue de surpresa. “Acautelai-vos por vós mesmos, para que nunca vos suceda que o vosso coração fique sobrecarregado com as consequências da orgia, da embriaguez e das preocupações deste mundo, e para que aquele dia não venha sobre vós repentinamente, como um laço” (Lc 21.34). 


Que nossa esperança esteja em Deus que nos dará um novo céu e uma nova terra.