segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Pré-pago

Romanos 4.19-25

“A quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, mediante a fé, para manifestar a sua justiça, por ter Deus, na sua tolerância, deixado impunes os pecados anteriormente cometidos” (Rm 3.25).

Estamos vendo a multiplicação de serviços pré-pagos. É assinatura de TV, plano de celular, parques de diversão, etc. É uma forma interessante de consumir, conforme um pagamento antecipado. Você coloca créditos em um cartão e sabe que estará usando apenas aquilo que você já pagou. Evita o problema de sair gastando, sem estabelecer um limite e depois levar um susto quando a conta chegar. Mas também gera um problema. Quando você está feliz gastando seus créditos recebe uma mensagem dizendo que é preciso recarregar. O valor colocado previamente parece que acaba rapidamente. O homem, por seu pecado, adquiriu uma dívida diante de Deus, que nunca poderia pagar. Na cruz, Jesus ofereceu sua vida em favor de seu povo, tomando sobre si o pecado de seu rebanho. Este sacrifício foi recebido como pagamento da nossa dívida. Paulo usa, para explicar isso, o termo “imputação”, que significa colocar crédito, creditar, depositar. “Enquanto nosso pecado é creditado a Cristo, sua retidão é imputada (creditada) a nós. A justiça de Cristo é imputada àqueles que creem que ele morreu e ressuscitou dentre os mortos (v.24) para a nossa justificação” (RC Sproul). Podemos então dizer que está tudo pago. Quando chegarmos diante de Deus no dia do juízo, nosso cartão terá crédito suficiente para passarmos na entrada celestial. Somos declarados justos, aceitáveis na presença de Deus. Conhecer esta manifestação do amor de Deus nos faz trabalhar para ele com alegria e gratidão.

Creia, a salvação é pré-paga e não é preciso recarregar.