terça-feira, 19 de setembro de 2017

Tênis ou frescobol?

Romanos 12.9-19

“Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros” (Rm 12.10).

Achei muito interessante a comparação entre dois tipos de relacionamentos com os esportes, tênis e frescobol. Os do tipo tênis são uma fonte de raiva e ressentimentos e terminam sempre mal. Os do tipo frescobol são uma fonte de alegria e têm a chance de ter vida longa. Tênis é um jogo feroz, o seu objetivo é derrotar o adversário. O bom jogador é aquele que tem a exata noção do ponto fraco do seu adversário e é justamente para aí que ele vai dirigir sua cortada. Termina sempre com a alegria de um e a tristeza do outro. Frescobol se parece muito com o tênis: dois jogadores, duas raquetes e uma bola. Só que, para o jogo ser bom é preciso que nenhum dos dois perca. Se a bola veio meio torta, a gente sabe que não foi de propósito e faz o maior esforço do mundo para devolvê-la gostosa, no lugar certo para que o outro possa pegá-la. Não existe adversário, porque não há ninguém a ser derrotado. Aqui, ou os dois ganham ou ninguém ganha. 
Deus nos criou para vivermos bem uns com os outros. Não podemos confundir, relacionamentos não são disputas, são oportunidades de cooperação. Oportunidade de amar, tratar bem, ser paciente, abençoar, compartilhar necessidades, ter o mesmo sentimento, esforçar em ajudar, condescender. Esteja longe de nós toda agressão e gritaria, toda falta de consideração e de amor para com o nosso próximo e nossos familiares.


Amar é mais do que querer ganhar algo, é dar de si mesmo ao outro.