quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Brinde

Salmo 141.8-10

“Caiam os ímpios nas suas próprias redes, enquanto eu, nesse meio tempo, me salvo incólume” (Sl 141.10).

Uma jovem olhou com olhos sorridentes para um senhor e disse: “O senhor aceitaria um brinde?”. Ela estava dentro de um balcão circular no aeroporto, rodeada de revistas. Oferecia, de graça, uma revista, à escolha. O homem sorrindo aproximou e disse: “Não vou aceitar o brinde, porque não há brindes. O peixe, ao olhar para a isca, pensa: ‘Oh! Um brinde do pescador...’. Não vou aceitar o brinde, porque sei aonde ele me levará: serei fisgado pelo anzol e ficarei odiando você e eu mesmo pelo brinde, nas inúmeras prestações que terei de pagar. Falo isso por experiência própria”. 
Muitos são os brindes iscas deste mundo. Eles vem em forma de presentes, são agradáveis aos nossos olhos, saborosos. Mas, depois de algum tempo, cobram um preço alto daqueles que o recebem. Muitos enganadores lançam suas iscas, oferecendo coisas que os nossos desejos são mais atraídos. 
As iscas do mundo são perigosas. Devemos fugir delas. A satisfação prometida não será cumprida. Quando abocanhamos uma isca, somos fisgados pelo mal. Na verdade, não precisamos delas. Temos total satisfação nos caminhos do Senhor. Recebemos o maior presente que é a presença de Deus em nossa vida. Como disse Jesus, mesmo que tivermos que deixar casa, pai ou filho por causa do reino de Deus, iremos receber, no presente, muitas vezes mais e, no mundo por vir, a vida eterna.


Alimente-se do pão da vida.