quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Perdeu a Palavra

João 6.29-35

Como eu amo a tua lei! Medito nela o dia inteiro (Sl 119.97).

Uma das bem-aventuranças diz que devemos ter fome e sede de justiça. A fonte de toda a justiça é a Palavra de Deus. Quando nos alimentamos da Bíblia, através de sua leitura, estudo e meditação, somos fortalecidos nos caminhos de Deus, caminhos de justiça. Nos sentimos verdadeiramente alimentados, saciados. A leitura da Bíblia também abre nosso apetite de fazer a vontade de Deus. Nós temos desejo de praticar o que aprendemos. 
Infelizmente há muita falta de fome da Palavra de Deus, de desejo de estudar e meditar profundamente nela. Devemos valorizar as oportunidades que temos de aprendizado. É preciso considerar o poder que o conteúdo da Bíblia tem para abençoar as nossas vidas. É preciso lembrar que a Bíblia é a Palavra de Deus. Ele fala conosco através dela. O missionário Ronaldo Lidório, trabalhando entre os Konkombas, em Ghana, experimentou grandes maravilhas divinas como resultado da pregação da Palavra. Ronaldo traduziu o Novo Testamento para a língua nativa desse povo até então não alcançado pelo Evangelho. Antes do Novo Testamento ser vertido para a língua konkomba, uma mulher de sessenta anos fez uma viagem de quatro dias a pé até a aldeia onde morava o missionário Ronaldo para decorar treze versículos da Palavra de Deus. Ao regressar para a sua casa, depois de dois dias de viagem, esqueceu-se de um versículo. Ela só conseguia se lembrar de doze; então, regressou do meio do caminho e voltou à aldeia onde estava o missionário para memorizar o versículo perdido e justificou: “A Palavra de Deus é muito preciosa para ficar perdida no meio do caminho”. 
Quantos versículos temos deixado esquecidos no caminho? Somos atraídos para a leitura bíblica? Que Deus desperte em nós o desejo de estudar mais a Bíblia e também o desejo de praticar aquilo que estudamos, tendo o cuidado de fazer segundo tudo o que nela está escrito.


A palavra da verdade é nossa arma de justiça.