quinta-feira, 29 de março de 2018

Ressurreição

ICoríntios 15.1-4

Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo ele as primícias dentre aqueles que dormiram (1Co 15.20).

E. M. Bounds afirma: “A ressurreição de Cristo é a pedra fundamental da arquitetura de Deus, é o coroamento do sistema bíblico, o milagre dos milagres. A ressurreição salva do escárnio a crucificação e imprime à cruz glória indizível”. Nossa salvação, nossa ressurreição estão alicerçadas neste fato, Cristo ressuscitou! Como afirma a Bíblia, Cristo morreu pelos nossos pecados; ele foi sepultado e ele ressuscitou dentre os mortos. 
Paulo diz que se Cristo não ressuscitou somos os mais infelizes de todos os homens, pois cremos em uma mentira, pregamos algo vazio. Sem a ressurreição ainda estaríamos presos ao pecado e a morte. Mas Cristo ressuscitou. E porque cremos na ressurreição de Jesus somos bem-aventurados, pois sabemos que a morte é um descanso. Cremos que quando Jesus voltar os mortos irão ressurgir e poderemos enfim dizer: “Tragada foi a morte pela vitória” (1Co 15.54b). Graças a Deus, que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo” (15.57). E. M. Bounds faz uma linda declaração sobre isto dizendo: “A ressurreição de Cristo destrona a tirania da morte, destrói seu terror e vence seu domínio, mantém anjos guardando nosso túmulo, semeia esperança e imortalidade na ruína. Sua ressurreição abre para nós um caminho através do sombrio domínio da morte; através dela a corrupção se veste de incorruptibilidade e a mortalidade se reveste de imortalidade. A morte é tragada, nossos lábios moribundos cantam a canção da vitória, e o momento da morte transforma-se no momento da coroação”. 
Diante desta grande verdade precisamos ouvir o conselho de Paulo no último versículo do capítulo 15 de 1Coríntios que diz: “Portanto, meus amados irmãos, mantenham-se firmes, e que nada os abale. Sejam sempre dedicados à obra do Senhor, pois vocês sabem que, no Senhor, o trabalho de vocês não será inútil”.

A morte não tem a última palavra.