domingo, 27 de maio de 2018

Pelo Fogo

Daniel 3

Para que, uma vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível, mesmo apurado por fogo, redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo (1Pe 1.7).

Nabucodonosor fez uma imagem de ouro. Esta imagem deveria ser adorada por todos. Quem não se prostrasse e adorasse a imagem seria atirado em uma fornalha. Os três amigos de Daniel não obedeceram e foram denunciados. O rei furioso os ameaçou jogar na fornalha se não obedecessem. Eles responderam: “Se formos atirados na fornalha em chamas, o Deus a quem prestamos culto pode livrar-nos, e ele nos livrará das tuas mãos, ó rei” (Dn 3.17). Foram então jogados na fornalha. Mesmo o fogo sendo aquecido sete vezes mais, eles não foram atingidos. Os guardas que os atiraram morreram, mas eles ficaram ilesos. Nem cheiro de fumaça ficou, nem suas roupas queimaram, nem um fio de cabelo. A única coisa que o fogo queimou foram as amarras que prendiam os amigos de Daniel. 
Algumas vezes, Deus não nos livra da fornalha, mas na fornalha. Deus trabalha em nossa vida. Nossa fé é purificada no fogo da aflição. Existem dificuldades que passamos para que algumas amarras sejam queimadas e possamos livremente servir a Deus. O fogo serve para nos purificar, nos fazer melhores. Assim como o fogo purifica o ouro, Deus molda nossas vidas através da aflição. Mesmo que estejamos passando por circunstâncias difíceis, devemos nos alegrar no Senhor. Nos alegramos porque Deus nos sustenta em todo tempo e nas horas mais difíceis ele se aproxima ainda mais de nós. Também nos alegramos porque sabemos que tudo converge para o bem. Ao final de tudo, a glória de Deus se manifestará. Exultamos, pois sabemos pela fé que temos uma herança nos céus preparada para nós. Pedro diz: “não se surpreendam com o fogo que surge entre vocês para os provar… Mas alegrem-se à medida que participam dos sofrimentos de Cristo, para que também, quando a sua glória for revelada, vocês exultem com grande alegria” (1Pe 4.12-13).

Situações difíceis são oportunidades de crescimento e de testemunhar nossa fé.