segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Suprema graça

Efésios 2.8-10

Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas! (2 Co 5.17)

Deus nos salvou. Agiu movido pela sua misericórdia, amor, pela graça e por sua bondade. Mas ainda vamos pensar nesta pergunta: Por que Deus nos salvou? Efésios 2.7 diz: “Ele nos salvou para mostrar nos séculos vindouros a suprema riqueza da sua graça”. Ao nos salvar e exaltar, Deus demonstrou “a suprema riqueza da sua graça”. Somos testemunhas da bondade de Deus. 
Quando o Rev. Paulo Gibson aposentou-se como presidente em Ridley Hall, Cambridge, descerraram um quadro com o seu retrato. Ao expressar a sua gratidão, fez um elogio bem merecido ao artista. Disse que, no futuro, acreditava que as pessoas que olhassem o quadro não perguntariam: “Quem é esse homem?”, mas sim: “Quem pintou esse retrato?”. John Stott acrescentou a esta história o seguinte: “Ora, em nosso caso Deus demonstrou mais do que habilidade. Um paciente depois de uma cirurgia delicada é uma testemunha viva da habilidade de seu cirurgião; e um homem condenado, depois de ser perdoado, da misericórdia do seu soberano. Assim somos nós: amostras da competência de Deus e troféus da sua graça”. 
Para reforçar esta declaração de que fomos salvos somente pela graça de Deus, por meio da confiança em Cristo, Paulo acrescenta duas negações: “E isso não vem de vós... Não de obras” (v.8). Nem a salvação, nem a fé vem de nós mesmos, mas é presente de Deus. Por que? Para que ninguém se glorie. Para que o único que merece louvor receba toda a honra. Somos feitura de Deus, obra de arte nas mãos dele. Maravilhosa graça é a salvação. Antigamente andávamos em delitos e pecados, oprimidos pelo diabo. Agora andamos nas boas obras, conforme os planos de Deus. Quem está em Cristo é nova criatura. Somos criados em Cristo Jesus para boas obras (v.10). Obras que desde a eternidade, segundo o seu desígnio, preparou para que andássemos nelas. 


Somos testemunhas vivas da bondade e poder de Deus.