sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Tempo curto

1Coríntios 7.29-31

Enquanto é dia, precisamos realizar a obra daquele que me enviou. A noite se aproxima, quando ninguém pode trabalhar (Jo 9.4).

Paulo diz em nosso texto base: “O tempo é curto... a forma presente deste mundo está passando”. Parece que nem sempre nos comportamos como pessoas conscientes desta realidade. A recomendação bíblica é que devemos remir o tempo, aproveitar as oportunidades. “Esta sensação permanente do valor do tempo presente contínuo é marca daquele que conhece a Deus” (Joaquim Rodrigues Gonçalves). Saber dar valor ao tempo é entender que a vida não é só casar, comprar e usar as coisas deste mundo, muito menos usar o tempo para fazer o que é mau. Pedro diz: “no tempo que lhe resta, não viva mais para satisfazer os maus desejos humanos, mas sim para fazer a vontade de Deus” (1Pe 4.2).
Nosso tempo é um bem muito precioso e não pode ser desperdiçado. Miguel Rizzo Jr. disse: “O itinerário da existência não admite parada e muito menos retrocesso. A frase muito usada: recuperar o tempo é absurda. Jamais se recupera o tempo. O tempo de nossa vida deve revelar uma continuidade de ação no remir o tempo, “pondo a alma no serviço”, em favor do que precisa ser feito”. 
Não devemos cansar de fazer o bem (Gl 6.9). Devemos nos apegar até ao fim aos princípios que recebemos por intermédio da palavra e usar o tempo com sabedoria. “Vede prudentemente como andais” (Ef 5.15). Devemos ser dedicados em tudo que fizermos, fazer tudo de coração, não rejeitando o chamado de Deus. “Se hoje vocês ouvirem a sua voz, não endureçam o coração, como na rebelião” (Hb 13.15).
Embora todos nós tenhamos a mesma quantidade de horas por dia para viver, o que vai nos diferenciar é como utilizamos o nosso tempo. O tempo é curto para todos nós, mas pode se multiplicar em paz e alegria quando vivemos cada minuto na presença de Deus. “…encorajem-se uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama “hoje”, de modo que nenhum de vocês seja endurecido pelo engano do pecado” (Hb 3.13). 

Que possamos consagrar nossos dias ao Senhor.