terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Conflitos na oração


Leitura Bíblica: Marcos 1.35-39

Mas quando você orar, vá para seu quarto, feche a porta e ore a seu Pai, que está em secreto. Então seu Pai, que vê em secreto, o recompensará (Mt 6.6).

Todos nós sabemos que orar é importante. Também sabemos como é difícil manter o hábito da oração. Muitas pessoas tentam, por alguns dias, reservar um tempo maior para orar. Mas logo desistem e passam a orar de forma rápida, não tendo um tempo maior e exclusivo para a oração. Orar é um exercício e como todo exercício é necessário criar o hábito, se esforçar. É como um exercício físico, que no início é bem mais difícil de realizar, mas com o tempo se torna um grande prazer. Enquanto que o exercício físico faz muito bem para a saúde do corpo, a oração é o alimento da alma. 
Falando sobre a passagem de Mateus 6.6, Osvaldo Chambers comentou: “Jesus não diz: ‘Sonha com o teu Pai em secreto’, mas, sim, ‘Ora a teu Pai em secreto’. A oração é um esforço da vontade. Depois de entrarmos no nosso lugar secreto e fecharmos a porta, a coisa mais difícil de fazer é orar; não conseguimos pôr ordem em nossa mente, o nosso primeiro conflito é o pensamento que vagueia. Nossa grande luta, na oração, é vencer os devaneios da mente. Temos que disciplinar a mente e nos concentrar deliberadamente na oração”.
Quando algo quiser nos distrair, devemos perseverar. Manter a porta fechada e continuar orando. Provavelmente o que tenta nos distrair na hora da oração não é mais importante que a própria oração. Feche a porta, pense somente em Deus. Pense que neste lugar secreto você está mais perto de Deus. Nada é mais importante e especial do que este momento de conversa e comunhão com ele. 
Que possamos seguir o exemplo do próprio Jesus que tinha o hábito de orar. Muitas vezes levantava de madrugada e ia até um lugar deserto para ficar a sós com o Pai. Seja nos momentos de tribulação ou nos dias mais tranquilos e comuns, todos os dias devemos dedicar um tempo para a oração. 

Bendita a hora de oração.