terça-feira, 22 de janeiro de 2019

Em comunhão


Leitura Bíblica: Atos 2.44-45

Da multidão dos que creram, uma era a mente e um o coração. Ninguém considerava unicamente sua coisa alguma que possuísse, mas compartilhavam tudo o que tinham (At 4.32). 

A vida comunitária na igreja primitiva de Atos era levada tão a sério que, havendo necessidade, chegavam a vender suas propriedades para ajudar um irmão pobre. Deve ficar claro que esta doação não era algo obrigatório, mas voluntária, motivada pelo Espírito Santo de Deus. Estes irmãos nos dão um exemplo de como é viver em comunhão. Esta igreja nos faz pensar melhor sobre como lidar com os bens materiais. 
Crisóstomo disse: “Aquilo que era uma comunidade angelical, não consideravam exclusivamente deles nem uma das coisas que possuíam. Imediatamente, foi cortada a raiz dos males. Ninguém acusava, invejava, tinha ressentimentos, não havia orgulho nem desprezo. O pobre não sabia o que era vergonha, o rico não conhecia a arrogância”. 
O mundo em que vivemos está na contra mão deste pensamento. Existe um grande apego material, um grande desejo de possuir coisas muitas vezes apenas para mostrar aos outros o que ele comprou. A grande lição que aprendemos aqui é que precisamos ser sábios para compreender que nós, na verdade, não temos coisas, nós apenas as usamos. Por isso não devemos nos apegar a algo a ponto de considerar minha posse. Devemos entender que tudo que Deus nos dá é para administrarmos e compartilhar. Quando o texto diz que eles não consideravam exclusivamente deles nem uma das suas coisas, vemos que por isso tinham facilidade de compartilhar o que tinham com os outros. E até mesmo vender ou doar seus bens para ajudar alguém. 
A vida não pode ser solitária. Vivemos em comunhão com pessoas. Compartilhamos o ar que respiramos, a cidade em que moramos e também devemos aprender a dar e receber outras coisas, compartilhar tudo, conforme a necessidade. A vida deve ser solidária. Viver em comunhão é viver em generosidade, é uma vida de quem entendeu que tudo que tem veio de Deus. 

O que recebemos graciosamente não deve ser usado egoisticamente.