domingo, 23 de junho de 2019

Falsidade


Leitura Bíblica: 2Timóteo 3.14-17

A integridade dos justos os guia, mas a falsidade dos infiéis os destrói (Pv 11.3).

Elierme Mantaia, falando sobre falsidade, disse: “Ao receber uma cédula de cem reais, você percebe que a efígie é do Zé Carioca. O que você faz? Muito provavelmente não aceita, pois reconhece que a cédula é falsa. Entretanto, é possível, através da lavagem química e outros métodos, transformar cédulas de um real em cédulas de cem. Muitas pessoas têm aceitado essas cédulas como verdadeiras. Por que não se aceita a primeira cédula e aceita-se a segunda, se ambas são falsas? A resposta é evidente: Por causa da sutileza. Cuidado com as falsidades. Tem muito tico-tico pintado de canário por aí”!
Uma das maiores armas do inimigo é a mentira. E para ser boa a mentira precisa parecer verdadeira. São muitas as armadilhas da falsidade. Ela tenta nos convencer que alguns pecados não são pecado. Vem muitas vezes disfarçada em forma de preguiça, nos fazendo quebrar compromissos ou desistir de atividades importantes. E até disfarçada de vontade de Deus, quando tomamos decisões conforme a nossa vontade, acreditando ser a vontade de Deus. 
Diante desse pecado, a nossa ação deve ser dupla. Devemos nos guardar da falsidade e também de sermos falsos. O risco que corremos é duplo, por isso devemos sempre pensar nestas duas hipóteses - Ser falso e ser enganado por falsos. Existe o perigo de acomodar no mal da mentira, da aparente facilidade do agir com falsidade. O Salmo 34.13 diz: “Guarde a sua língua do mal e os seus lábios da falsidade”. Precisamos nos afastar deste mal buscando fazer o bem. Falar a verdade, agir com integridade. E também existe o perigo das más influências, de aparentes amigos que nos incentivam a fazer o que é errado. O perigo da influência da própria sociedade do mundo em que vivemos. Devemos sempre buscar a firmeza da verdade. Buscar o verdadeiro esclarecimento e discernimento do Espírito Santo em todas nossas ações e decisões. 

Permaneça na verdade.