sábado, 5 de outubro de 2019

O mais sujo!


Leitura Bíblica: Efésios 2.4-7

E, quando estiverdes orando, se tendes alguma coisa contra alguém, perdoai, para que vosso Pai celestial vos perdoe as vossas ofensas (Mc 11.25).

O garoto chega em casa e diz ao pai: – Estou com muita raiva do Lucas, papai! Ele falou mal de mim e me envergonhou na escola. Desejo que tudo de ruim aconteça para ele! O pai então o leva até o quintal. Anda em direção ao quartinho de despejo e pega um saco de carvão. O menino não entendeu muito a atitude do pai, ficou só observando. O pai então diz: – Filho, quero que jogue os pedaços de carvão naquele lençol branco que está pendurado no varal, como se ele fosse o Lucas. O filho sem entender muito bem o significado daquilo, faz o que o pai pediu. Ao final, o garoto diz estar feliz por ter sujado uma parte do lençol, como se fosse o coleguinha. – Descarreguei toda minha raiva nele, papai! O pai então o leva diante do espelho e para a surpresa do garoto, a aparência dele era tão preta, que mal conseguia enxergar os próprios olhos. O pai então concluiu seu ensino ao filho: – Veja, meu filho, o mal que desejamos aos outros é como esse carvão. Ele pode até sujar um pouco do lençol, mas na verdade o maior prejudicado foi quem o jogou. Quem ficou mais sujo? Você ou o lençol que representava seu coleguinha que te magoou? Olhe bem para o espelho e veja que você ficou mais sujo!
É fato que nossa raiva contra alguém faz muito mais mal a nós mesmos do que de quem estamos com raiva. Não podemos esquecer que fazer ou desejar o mal de quem quer que seja é uma atitude muito ruim. Precisamos pedir que Deus nos dê paciência. Principalmente no momento que somos contrariados ou ofendidos. É importante vivermos em paz, buscando perdoar quem nos trata mal. Sempre devemos lembrar que somos tão pecadores quanto os outros, carecemos da misericórdia de Deus e precisamos ser misericordiosos com eles. Como Jesus nos ensinou: “Bem-aventurados os misericordiosos, pois obterão misericórdia” (Mt 5.7).

A misericórdia triunfa sobre o juízo! (Tg 2.13)